Notícias

Banca de DEFESA: CARLOS HENRIQUE RIBEIRO LIMA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CARLOS HENRIQUE RIBEIRO LIMA
DATA: 14/09/2022
HORA: 14:30
LOCAL: REMOTO
TÍTULO: STATUS INADEQUADO DE 25(OH)D E PRÉ-DIABETES: ASSOCIAÇÃO COM FATORES DE RISCO ISOLADOS E SIMULTÂNEOS EM INDIVÍDUOS RESIDENTES EM TERESINA, PIAUÍ, BRASIL
PALAVRAS-CHAVES: Vitamina D. Estado Pré-diabético. Fatores de Risco. Prevalência. Estudos Transversais
PÁGINAS: 110
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Ciência e Tecnologia de Alimentos
RESUMO:

É crescente a prevalência de status inadequado de 25(OH)D e de pré-diabetes nos diferentes
ciclos de vida, e esse aumento pode estar associado a fatores, tais como: inatividade física,
obesidade visceral, consumo alimentar rico em açúcares e pobre em frutas e verduras.
Portanto, esse estudo teve como objetivo avaliar a prevalência de pré-diabetes e fatores
associados e verificar a associação do status inadequado de 25(OH)D com fatores de risco
isolados e simultâneos relacionados ao pré-diabetes. E ainda, realizar uma revisão
sistemática para analisar o efeito da suplementação de vitamina D no controle glicêmico de
pré-diabéticos. Para isso, realizou-se um estudo transversal de base domiciliar na zona
urbana de Teresina com indivíduos de ambos os sexos e uma revisão sistemática da
literatura. No artigo 1, foram coletados dados apenas de uma subamostra de adultos
(n=224). A prevalência de pré-diabetes foi estimada pelo teste de glicemia em jejum, e
classificado de acordo com a Associação Americana de Diabetes (≥100mg/dL<126mg/dL).
Foram testadas associações com variáveis: sociodemográficas, antropométricas, consumo
alimentar, níveis pressóricos, triglicerídeos, transtornos mentais comuns e com a presença
simultânea desses fatores de risco. No artigo 2, foram coletados dados apenas de uma
subamostra de adolescentes, adultos e idosos (n=295). Nesse estudo, a prevalência de status
inadequado de 25(OH)D foi classificado segundo Holick et al. (<30ng/mL). Foram testadas
as associações com as variáveis sociodemográficas, estilo de vida, consumo diário de doces,
circunferência da cintura elevada, inatividade física e com a simultaneidade desses fatores
de risco. Os dados dos artigos 1 e 2 foram analisados com o teste do qui-quadrado de
Pearson e regressão de Poisson para razões de prevalência (RP) bruta e ajustada, com nível
de significância p<0,05. O artigo 3, tratou-se de uma revisão sistemática elaborada
conforme as recomendações PRISMA para responder à questão norteadora: a
suplementação de vitamina D melhora o controle glicêmico em indivíduos pré-diabéticos?
Nesse artigo, foram inseridas publicações dos últimos 10 anos, indexados ao Science Direct,
PubMed e LILACS, utilizando-se os descritores: vitamina D, pré-diabetes e controle
glicêmico. Ensaios clínicos randomizados foram considerados elegíveis para a inclusão.
Como resultados, no artigo 1, verificou-se prevalência de pré-diabetes de 8,04%, e maior
RP com a menor escolaridade (RP:5,17, IC:1,53-17,33, p: 0,010) e a hipertrigliceridemia
(RP:4,19, IC:1,41-12,45, p:0,012), mesmo após o ajuste os resultados mantiveram-se
significativos. Já no artigo 2, a prevalência de status inadequado de 25(OH)D foi de 56,9%,
com associação significativa com o sexo masculino (64,1%, p:0,027) e consumo diário de
doces (70,9%, p:0,016) e com maior RP, nos adultos (RP: 1,48, IC:1,09-2,01, p:0,014)
fisicamente inativos, e nos adultos e idosos que apresentaram consumo diário de doces +
CC elevada. E ainda, com maiores RP nas combinações de 3 fatores de risco,
principalmente nos idosos (RP:2,41, IC:1,65-3,50, p:<0,001), após o ajuste os resultados
mantiveram-se significativos. No artigo 3, os resultados revelaram que dos 04 artigos
incluídos, 03 mostraram que a suplementação de vitamina D não altera os marcadores de
controle glicêmico em pré-diabéticos. Somente 01 mostrou efeito positivo, após
suplementação de 60.000 UI/mês de vitamina D3 por 12 meses, com redução significativa
nas concentrações de hemoglobina glicada, glicemia em jejum e pós-prandial de 2h.
Portanto, verificou-se que indivíduos menos escolarizados com níveis elevado de
triglicerídeos no sangue tem maiores RP de pré-diabetes. E, indivíduos do sexo masculino,
fisicamente inativos, que consomem doces diariamente e apresentam dois ou mais fatores
de risco para pré-diabetes, tem maiores RP de 25(OH)D inadequada. Quanto a
suplementação, os resultados da revisão sistemática não afirmaram ou descartaram os
prováveis benéficos para os pré-diabéticos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1794569 - ADRIANA DE AZEVEDO PAIVA
Externo à Instituição - CARMEN VIANA RAMOS - UNINOVAFAPI
Interno - 1642393 - KAROLINE DE MACEDO GONCALVES FROTA
Externo à Instituição - LIANIA ALVES LUZIA - USP
Interno - 1167710 - MARIA DO CARMO DE CARVALHO E MARTINS
Externo ao Programa - 1421291 - POLIANA CRISTINA DE ALMEIDA FONSECA
Externo ao Programa - 474.194.153-15 - SUZANA MARIA REBELO SAMPAIO DA PAZ - USP
Notícia cadastrada em: 01/09/2022 13:24
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 05/12/2022 11:53