Notícias

Banca de DEFESA: DANIELE RODRIGUES CARVALHO CALDAS

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DANIELE RODRIGUES CARVALHO CALDAS
DATA: 18/10/2022
HORA: 14:30
LOCAL: Via Remota
TÍTULO: ASSOCIAÇÃO DO ÍNDICE INFLAMATÓRIO DA DIETA E ADESÃO À DIETA DO MEDITERRÂNEO EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA
PALAVRAS-CHAVES: Câncer de Mama. Índice inflamatório de dieta. Dieta do mediterrâneo. Consumo alimentar.
PÁGINAS: 118
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Ciência e Tecnologia de Alimentos
SUBÁREA: Ciência de Alimentos
RESUMO:

Introdução: O câncer de mama (CM) é uma doença crônica não transmissível com
etiopatogenia complexa, que envolve mecanismos endócrinos, metabólicos, moleculares
e fatores ambientais. Nesse sentido, estudos têm evidenciado a influência do hábito
alimentar na carcinogênese, em particular a Dieta do Mediterrâneo (DM) e o potencial
inflamatório da dieta, não havendo consenso dessa relação no câncer de mama. Objetivo:
Analisar a associação do índice inflamatório da dieta (IID®) e adesão à dieta do
mediterrâneo com indicadores de agressividade tumoral em mulheres com CM.
Metodologia: Estudo caso-controle realizado em 181 mulheres distribuídas em dois
grupos: com CM (caso, n=90) e sem CM (controle, SCM; n=91). Os aspectos clínicos e
reprodutivos foram avaliados por meio de entrevista, e a classificação dos subtipos
moleculares para determinação da agressividade tumoral foi realizada segundo o Painel
Internacional de Especialistas na Conferência sobre Câncer de Mama St. Gallen (2011).
O consumo alimentar foi avaliado pelo questionário de frequência alimentar (QFA) e a
adiposidade corporal por bioimpedância, circunferência da cintura e razão cintura quadril.
A adesão à DM foi avaliada segundo o score da DM e o IID®, calculado pela metodologia
proposta por Shivappa (2014). Na análise estatística foi realizado o teste t independente
e o teste Mann-Whitney para comparação de médias de variáveis contínuas paramétricas
e não paramétricas, respectivamente. O Odds ratio (OR) e intervalos de confiança de 95%
(IC) correspondentes foram calculados usando modelos de regressão logística não
condicional, univariada e multivariada, considerando significativos valores de p<0,05.
Resultados: Os resultados mostraram que as mulheres com CM e as do grupo controle
consumiam dieta com potencial pró-inflamatório, sendo a média do IID® de 1,87 ± 1,27
e 2,18 ± 1,16, respectivamente, sem diferença entre os grupos. O principal tipo de
carcinoma mamário foi o ductal invasivo, positivo para receptor de estrogênio/ou
progesterona. Não foi evidenciada associação entre o IID® e os parâmetros de
agressividade tumoral nas mulheres com câncer. As médias dos scores da DM foram de
4,08 ± 1,61 e 4,22 ± 1,69 nas mulheres com e sem CM, respectivamente, sem diferença
entre os grupos (p=0,563). O estudo não mostrou relação entre o risco de CM e os
diferentes níveis de adesão à DM, após ajustes nos modelos de regressão logística, OR=.

Conclusão: A dieta consumida pelas mulheres com CM possuia potencial pró-
inflamatório, porém não apresentou associação com a agressividade tumoral e

composição corporal. A “média adesão à DM foi identificada nas mulheres com e sem

CM, sem diferença entre as mesmas. Além disso os diferentes níveis de adesão à essa
dieta não demonstraram efeito no risco para o CM.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 423490 - NADIR DO NASCIMENTO NOGUEIRA
Interno - 423582 - BETANIA DE JESUS E SILVA DE ALMENDRA FREITAS
Interno - 1794569 - ADRIANA DE AZEVEDO PAIVA
Interno - 1356863 - DILINA DO NASCIMENTO MARREIRO
Externo ao Programa - 1952348 - GILMARA PÉRES RODRIGUES
Externo ao Programa - 1421291 - POLIANA CRISTINA DE ALMEIDA FONSECA
Externo à Instituição - CARLA SORAYA COSTA MAIA - USP
Notícia cadastrada em: 07/10/2022 10:03
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 23/06/2024 20:58