Notícias

Banca de DEFESA: MARILLYA OLIVEIRA SOUSA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARILLYA OLIVEIRA SOUSA
DATA: 30/05/2023
HORA: 15:00
LOCAL: Auditório do Departamento de Nutrição - Professora Francisca Elima Cavalcante Luz
TÍTULO: EXCESSO DE PESO E OBESIDADE ABDOMINAL EM PESSOAS VIVENDO COM HIV/AIDS EM USO DE TERAPIA ANTIRRETROVIRAL E SUA RELAÇÃO COM PADRÕES ALIMENTARES
PALAVRAS-CHAVES: HIV/Aids, Padrões alimentares, Obesidade abdominal, Terapia antirretroviral
PÁGINAS: 71
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Ciência e Tecnologia de Alimentos
SUBÁREA: Ciência de Alimentos
RESUMO:

O excesso de peso e a obesidade vem aumentando em pessoas com HIV/Aids desde a introdução
da terapia antirretroviral (TARV), tornando-se fundamental avaliar a dieta nesse contexto. O
objetivo deste estudo foi investigar o excesso de peso e obesidade abdominal em pessoas vivendo
com HIV/Aids em uso de TARV e sua relação com padrões alimentares. Trata-se de um estudo
com abordagem quantitativa, transversal, correspondendo ao baseline de um ensaio clínico
randomizado, aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Piauí
(CEP/UFPI), com parecer de número 2.100.110. Entre os participantes (n= 217) foram analisadas
as informações socioeconômicas, demográficas, antropométricas (Índice de Massa Corporal –
IMC, circunferência da cintura - CC e circunferência do pescoço- CP) e clínicas. O consumo
alimentar foi obtido por meio de recordatório de 24h e os padrões alimentares identificados pelo
método de Análise Fatorial por Componentes Principais. Houve predominância de indivíduos
solteiros (71,90%), de cor não branca (76,90%), não fumantes (83,87%) e que não faziam uso de
bebida alcoólica (56,60%), predominando pessoas na Classe E -“baixa” (63,59%). O tempo de
doença em 64,25% dos participantes era maior que 36 meses e 47,47%, estavam no estágio
precoce da doença, com carga viral indetectável em 59,91% das pessoas e 29,96% faziam uso do
esquema “DTF/3TC/EFV”. Apresentaram excesso de peso (pelo IMC) e obesidade abdominal,
esta última identificada por meio da CC e CP, 41,47%, 38,25% e 29,49%, respectivamente.
Quanto à CC, identificou-se maior prevalência de obesidade abdominal em pessoas do sexo
feminino (57,83%, p <0,001), não fumantes (90,36%, p = 0,041), com tempo de doença >36 meses
(73,42%, p = 0,031) e com tempo de TARV > 36 meses (57,34%, p = 0,023). Já em relação à CP,

ppgan@ufpi.edu.br
https://ppgan.ufpi.edu.br

não foram observadas diferenças nas proporções de obesidade abdominal com nenhuma das
variáveis. Identificou-se quatro padrões alimentares: “Café da manhã”, “Tradicional”, “Ocidental”
e “Saudável”. Embora após os ajustes as razões de prevalências não apresentaram valores
significativos para a amostra estudada, Embora a composição nutricional da dieta seja importante
para manutenção da saúde o estudo avaliou que o excesso de peso e obesidade abdominal das
pessoas com HIV/Aids, no presente estudo, possa ter maior influência da terapia utilizada e do
tempo de doença e não dos padrões alimentares.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1794569 - ADRIANA DE AZEVEDO PAIVA
Externo à Instituição - ADÉLIA DA COSTA PEREIRA ARRUDA NETA - UFPB
Externo à Instituição - CARLOS HENRIQUE RIBEIRO LIMA - Estácio
Interno - 1642393 - KAROLINE DE MACEDO GONCALVES FROTA
Notícia cadastrada em: 19/05/2023 16:35
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.sigaa 23/06/2024 21:30