Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MAYARA STOREL BESERRA DE MOURA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MAYARA STOREL BESERRA DE MOURA
DATA: 15/02/2024
HORA: 12:00
LOCAL: PPGAN
TÍTULO: Associação da vitamina D e potencial inflamatório da dieta brasileira com a composição corporal, marcadores inflamatórios, estresse oxidativo e expressão gênica do receptor da vitamina D nas doenças inflamatórias intestinais
PALAVRAS-CHAVES: doenças inflamatórias intestinais; vitamina D; estresse oxidativo, inflamação
PÁGINAS: 147
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Ciência e Tecnologia de Alimentos
SUBÁREA: Ciência de Alimentos
RESUMO:

Introdução: As doenças inflamatórias intestinais (DII), doença de Crohn (DC) e retocolite ulcerativa (RCU) são caracterizadas por inflamação crônica e recorrente no trato gastrointestinal. Fatores como deficiência de vitamina D e o potencial inflamatório da dieta podem influenciar o quadro clínico desses pacientes, com alterações na composição corporal, nos marcadores inflamatórios, no estresse oxidativo e na expressão gênica do receptor da vitamina D. Objetivo: Analisar a relação entre as concentrações séricas da vitamina D e o potencial inflamatório da dieta brasileira com a composição corporal, marcadores inflamatórios e do estresse oxidativo e a expressão gênica do VDR em pacientes com DII. Metodologia: Estudo observacional transversal envolvendo 62 pacientes com DII e 24 controles saudáveis. A composição corporal foi realizada por bioimpedância elétrica. Os dados do consumo alimentar foram ajustados, seguidos pelo cálculo da probabilidade de adequação. O potencial inflamatório da dieta (PID) foi realizado conforme peso para cada grupo alimentar. As concentrações séricas da vitamina D e a expressão gênica do receptor da vitamina D foram realizadas por eletroquimioluminescência e por amplificação por reação em cadeia da polimerase quantitativa em tempo real (qrt-PCR), respectivamente. Os marcadores de estresse oxidativo, superóxido dismutase (SOD), glutationa (GSH), malondialdeído (MDA), mieloperoxidase (MPO) e nitrito foram avaliados por espectrofotometria. Os marcadores inflamatórios PCR, VHS e RDW foram obtidos dos prontuários médicos dos pacientes. Os dados foram analisados no software GraphPad®. Resultados: Os pacientes com DII estavam, predominantemente, no estágio de remissão da doença. Quanto a composição corporal, o estudo mostrou que as mulheres com DC apresentaram maiores percentuais de gordura corporal, área de gordura visceral e  circunferência da cintura. Para a massa magra e massa livre de gordura, ambos os sexos, desse grupo, apresentaram menores quantidades em relação ao grupo controle. Por outro lado, a avaliação dos pacientes com RCU, mostrou que as mulheres apresentaram maior área de gordura visceral (AGV) e os homens menores quantidades de massa magra e massa livre de gordura. Os pacientes com DC mostraram uma maior ingestão de carboidratos, enquanto aqueles RCU tiveram maior ingestão de proteínas e menor de lipídios. Os pacientes com RCU apresentaram maior potencial inflamatório da dieta. Os pacientes com DC tiveram concentrações mais altas de vitamina D. Não houve diferenças significativas nos marcadores inflamatórios entre DC e RCU e entre expressão gênica do VDR entre DC e CTL. Pacientes com RCU apresentaram correlações negativas entre vitamina D e IMC, percentual de gordura corporal (PGC), AGV e circunferência da cintura (CC). Houve associação positiva entre vitamina D e expressão gênica do VDR. Não foram observadas correlações entre o PID e marcadores inflamatórios ou de estresse oxidativo. Conclusão: Pacientes com DII em estágio de remissão da doença mostram concentrações adequadas de vitamina D, da expressão gênica do VDR, dos marcadores inflamatórios e do estresse oxidativo, bem como melhor perfil dietético anti-inflamatório. No entanto, destaca-se a necessidade da conscientização desses pacientes quanto ao consumo alimentar, visto que o perfil nutricional variou entre eutrofia e sobrepeso, com aumento da adiposidade visceral, podendo acarretar em desfechos clínicos desfavoráveis.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1952348 - GILMARA PÉRES RODRIGUES
Externo ao Programa - 6654838 - JOSE MIGUEL LUZ PARENTE
Externo à Instituição - LÚCIA DE FÁTIMA CAMPOS PEDROSA SCHWARZSCHILD - UFRN
Interno - 2167710 - MARIA DO CARMO DE CARVALHO E MARTINS
Presidente - 423490 - NADIR DO NASCIMENTO NOGUEIRA
Externo à Instituição - PAULO VÍCTOR DE LIMA SOUSA - UNIFACID
Externo ao Programa - 2510511 - REGINA MÁRCIA SOARES CAVALCANTE
Notícia cadastrada em: 15/02/2024 11:49
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 20/06/2024 09:38