Notícias

Banca de DEFESA: CLARISSA DA COSTA CARVALHO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CLARISSA DA COSTA CARVALHO
DATA: 06/07/2022
HORA: 09:00
LOCAL: SALA 323G (PPGS)
TÍTULO: Eu posso ver estrela sem ver uma grade”: relatos das experiências de mulheres egressas de uma penitenciária mista
PALAVRAS-CHAVES: Prisão. Experiências. Mulheres. Gênero. Relações afetivas.
PÁGINAS: 114
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Sociologia
RESUMO:

presente trabalho tem por objetivo apresentar a narrativa de mulheres egressas do sistema penitenciário quanto às experiências que vivenciaram durante o período em que estiveram privadas da liberdade e como este período que passaram presas impactou e impacta a sua vida e sua rede de relacionamentos. Nesse sentido, buscou-se compreender como se deram as vivências no âmbito dos relacionamentos afetivos e afetivo-sexuais durante o período que estiveram reclusas e refletir sobre as estratégias que essas mulheres adotaram no sentido de enfrentar as adversidades que se vislumbram, em virtude das questões de gênero, e que influenciam a forma como mulheres vivenciam o cárcere e o pós-cárcere. Utilizou-se uma abordagem qualitativa na qual foi realizada uma revisão bibliográfica e entrevistas semiestruturadas que, por sua vez, foram analisadas por meio do método de interpretação de sentidos. A partir de uma perspectiva feminista crítica, pautando-se em epistemologias de fronteira, realizou-se um estudo bibliográfico que, somado ao levantamentos de informações publicadas pelo Ministério da Justiça, trazem um panorama sobre o perfil sociodemográfico das mulheres encarceradas no Brasil, possibilitando a construção de um referencial teórico que discute os temas mais pertinentes neste trabalho, quais sejam: gênero, cárcere, relações sociais, criminalidade feminina, afetos, desigualdades sociais e questões interseccionais. A pesquisa analisa as trajetórias de cinco mulheres que experienciaram a vida no cárcere e vivenciaram relacionamentos enquanto presas. Procedeu-se à narrativa das suas histórias de vida, relatadas sob a perspectiva delas próprias. Os relatos abriram inúmeras possibilidades de análise, não apenas sobre relacionamentos amorosos, mas sobre a vida antes do cárcere, o ingresso no âmbito criminal, redes de afetos e a vida em liberdade após a experiência da prisão. Por isso, reflexões sobre questões como desigualdades, exclusão, violência e estratégias de sobrevivência foram analisadas de forma relacional às questões de relacionamentos afetivos, pois também atravessam a história de vida das mulheres ouvidas.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1446998 - ELIZANGELA BARBOSA CARDOSO
Interno - 4221710 - MARIA ROSANGELA DE SOUZA
Presidente - 1585600 - ROSSANA MARIA MARINHO ALBUQUERQUE
Notícia cadastrada em: 21/06/2022 20:50
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 07/10/2022 15:04