Notícias

Banca de DEFESA: ALESSANDRA SILVA PONTES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ALESSANDRA SILVA PONTES
DATA: 15/02/2016
HORA: 09:00
LOCAL: Sala de aulas do Programa de Pós-Graduação em Odontologia da UFPI – Bloco 5
TÍTULO:

Defeitos de Desenvolvimento do Esmalte Dentário em Crianças e Adolescentes HIV positivos: estudo caso-controle


PALAVRAS-CHAVES:

Esmalte dentário, Criança, Adolescente, Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, Antirretovirais



PÁGINAS: 74
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Odontologia
SUBÁREA: Clínica Odontológica
RESUMO:

Durante a odontogênese, diversosfatores podem interferir no processo de formação do órgão do esmalte, desencadeando Defeitos de Desenvolvimento do Esmalte (DDE).A infecção pelo HIV compromete o sistema imunológico e provoca repercussões sistêmicas que, em crianças e adolescentes,podem afetar o desenvolvimento do esmalte dentário. O objetivo deste estudo caso-controle foi determinar a frequência de DDE em crianças e adolescentes infectados pelo HIV, comparando com indivíduos saudáveis e identificar fatores associados à condição. A população foi constituída por pacientes HIV positivos, na faixa etária de 3 a 15 anos, e grupo controle pareado segundo gênero, idade e renda familiar. Dados relativos à história médica, condições neonatais e maternas foram obtidos por meio de questionário aplicado aos pais e/ou responsáveis. O exame clínico intrabucal foi realizado por um único examinador previamente treinado e calibrado (Valor índice kappa = 0,863). Para diagnóstico de DDE, utilizou-se Índice DDE Modificado.  Foi realizada análise descritiva, bivariada e Regressão logística multivariada pelo método Stepwise. A frequência de DDE encontrada foi de 61,5% no grupo caso (n=52) e de 58,7% no grupo controle (n=104). Infecção do trato genitourinário e hemorragia maternas foram fatores associados à DDE nos grupos caso e controle, respectivamente (p<0,005). Associação foi observada entre uso de esquemas antirretrovirais com inibidores de protease ou efavirenz e DDE na dentição permanente (p=0,039). Concluiu-se que crianças e adolescentes HIV positivos apresentaram frequência de DDE semelhante a pacientes saudáveis, contudo fatores associados a essa condição foram diferentes entre os grupos.



MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 571048 - DORCAS LAMOUNIER COSTA
Presidente - 423338 - LUCIA DE FATIMA ALMEIDA DE DEUS MOURA
Interno - 1301059 - MARCOELI SILVA DE MOURA
Interno - 1167676 - SIMONE SOUSA LOBAO VERAS BARROS
Notícia cadastrada em: 25/01/2016 15:25
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 27/09/2022 08:34