Notícias

Banca de DEFESA: NEUSA BARROS DANTAS NETA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: NEUSA BARROS DANTAS NETA
DATA: 27/06/2013
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do Curso de Odontologia - bloco 10
TÍTULO:

IMPACTO DA HIPOMINERALIZAÇÃO MOLAR-INCISIVO NA QUALIDADE DE VIDA DE ESCOLARES


PALAVRAS-CHAVES:
Qualidade de vida, qualidade de vida relacionada a saúde oral, hipomineralização molar-incisivo

PÁGINAS: 61
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Odontologia
RESUMO:

A hipomineralização molar-incisivo (HMI) corresponde a defeito de desenvolvimento do esmalte dentário que afeta entre 1 e 4 primeiros molares permanentes, frequentemente associado a alterações nos incisivos permanentes. Esta alteração pode favorecer o desenvolvimento de lesões cariosas e sensibilidade dentinária, que podem causar dor e afetar o cotidiano das pessoas. A qualidade de vida de indivíduos com HMI não foi investigada até o momento. O objetivo deste trabalho foi avaliar se a HMI exerce influência sobre a qualidade de vida relacionada a saúde bucal de adolescentes. Métodos: Trata-se de estudo observacional transversal. Em 2012, havia 54056 adolescentes na faixa etária de 11 e 14 anos matriculados nas redes pública e privada de Teresina-PI-Brasil. Para a realização do cálculo amostral foi utilizado o software EPI-info módulo STAT CALC. Assim, 594 escolares entre 11 a 14 anos foram incluídos no presente estudo. Foram excluídos os que apresentavam fluorose dental grau moderado/avançado; hipoplasia do esmalte ou amelogênese imperfeita ou que estivessem utilizando aparelho ortodôntico fixo. O diagnóstico da HMI seguiu os critérios da Academia Europeia de Odontopediatria (EAPD). Para verificar o impacto da HMI na qualidade de vida dos adolescentes, utilizou-se o questionário validado CPQ 11-14 ISF:16. A análise estatística foi realizada utilizando-se os testes qui-quadrado, Mann-Whitney, Kruskal Wallis e razão de prevalência. Resultados: Verificou-se que a HMI não esteve associada à qualidade de vida (p=0,76). Entretanto, os adolescentes com HMI em grau severo apresentaram qualidade de vida inferior (p=0,033). Adolescentes com 12 anos (p=0,03), cujas mães tinham maior escolaridade (p=0,04), que não moravam com os pais (p=0,01), escovavam os dentes apenas uma vez por dia (p=0,002) e tiveram experiência com cárie (p=0,044) apresentaram pior qualidade de vida relacionada a saúde bucal. Conclusão: Pode-se concluir que adolescentes com HMI em grau severo apresentaram pior qualidade de vida relacionada à saúde bucal.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1790736 - MARINA DE DEUS MOURA DE LIMA
Interno - 423020 - CARMEM DOLORES VILARINHO SOARES DE MOURA
Interno - 1167676 - SIMONE SOUSA LOBAO VERAS BARROS
Externo ao Programa - 1960448 - GLAUBER CAMPOS VALE
Externo ao Programa - 422537 - PAULO VASCONCELOS DE CARVALHO
Notícia cadastrada em: 21/06/2013 11:27
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 27/09/2022 07:13