Notícias

Banca de DEFESA: JULIANA RODRIGUES MARTINS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JULIANA RODRIGUES MARTINS
DATA: 10/02/2021
HORA: 15:30
LOCAL: Videoconferência
TÍTULO: AS POLÍTICAS DE SAÚDE E DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO ENFRENTAMENTO DA HANSENÍASE EM TERESINA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES DE ARTICULAÇÃO INTERSETORIAL
PALAVRAS-CHAVES: Intersetorialidade. Política de Saúde. Política de Assistência Social. Hanseníase.
PÁGINAS: 162
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Serviço Social
RESUMO:

A presente dissertação teve como objeto de estudo a intersetorialidade entre as Políticas de Saúde e Assistência Social para enfrentar a hanseníase enquanto agravo de saúde pública na cidade de Teresina a partir de recorte socioterritorial da Zona Sul e, de modo mais específico, na Vila Irmã Dulce, além do Centro Maria Imaculada (CMI) localizado na Zona Norte da cidade, em razão deste último ser um ponto importante na Rede de Atenção à Saúde de enfrentamento à doença em Teresina. A pesquisa pautou-se na investigação das ações intersetoriais desenvolvidas por assistentes sociais, enfermeiros, psicólogos, agentes de saúde e coordenadores da UBS Irmã Dulce, CRAS Sul II e CMI, além das ações do Movimento pela Reintegração das Pessoas com Hanseníase (MORHAN) em suas relações intersetoriais para enfrentar a hanseníase, na persecução dos objetivos de identificar e analisar as relações entre as Políticas de Saúde e de Assistência Social para enfrentar a hanseníase no território da Zona Sul, além de identificar e analisar a incidência epidemiológica da doença nos casos notificados em 2018 e 2019 em Teresina, com ênfase na análise da situação epidemiológica da Vila Irmã Dulce. A produção de dados foi realizada a partir do uso de fontes documentais e de entrevistas semiestruturadas junto a gestores das políticas públicas, assistentes sociais, psicólogos,
enfermeiros, agentes de saúde e representantes do coletivo MORHAN. A pesquisa foi desenvolvida com contornos mais qualitativos, sem descuidar, contudo, da perspectiva quantitativa, especialmente no que tange ao uso de estatísticas da hanseníase em Teresina, tomados para tratamento e análise. Os resultados da pesquisa apontam que, embora a intersetorialidade esteja prevista nos marcos regulatórios da Política de Saúde e de Assistência Social, ainda se constitui um desafio a sua implementação entre as Políticas supracitadas para garantir o atendimento às demandas das pessoas com hanseníase em Teresina na satisfação de suas necessidades básicas. Assim, apesar de constatar demandas que exigem a articulação intersetorial entre Saúde e Assistência Social, as ações desenvolvidas pelos profissionais são pontuais e fragmentadas e ainda se mostram insuficientes para compor uma rede de atenção intersetorial em torno dessas demandas, o que indica a necessidade de redefinições no âmbito das políticas de forma a avançar na direção da adoção da intersetorialidade como estratégia de gestão, planejamento, implantação e implementação nas Políticas de Saúde e de Assistência Social para compor, de fato, ações direcionadas para um trabalho articulado em prol de uma cidade livre de hanseníase como propõem as diretrizes mundiais, nacionais, estaduais e municipais em relação a este agravo, haja vista tratar-se de uma doença que é endêmica e problema de saúde pública em Teresina.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - IZABEL HERIKA GOMES MATIAS CRONEMBERGER - FSA
Interno - 1167874 - LUCIA DA SILVA VILARINHO
Presidente - 2174277 - MASILENE ROCHA VIANA
Notícia cadastrada em: 28/01/2021 10:16
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 20/04/2024 00:00