Notícias

Banca de DEFESA: LUANA RUTH BRAGA CAMPOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LUANA RUTH BRAGA CAMPOS
DATA: 18/05/2022
HORA: 14:30
LOCAL: Remotamente
TÍTULO: PAPEL DA ESCOLA NO ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL: sentimentos de adolescentes escolares
PALAVRAS-CHAVES: Violência Sexual. Criança. Adolescente. Escola
PÁGINAS: 92
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

Introdução: Violência sexual (VS) é um fenômeno sociocultural que afeta crianças de todo mundo. No panorama global, o abuso é relatado por um a cada oito jovens. Estatísticas nacionais apontam como o segundo maior tipo de violência entre indivíduos na faixa etária dos 10 aos 14 anos, sendo frequente sua ocorrência ou o relato da vivência no ambiente escolar. Não obstante, a oferta de educação sexual nas instituições de ensino ainda enfrenta diversas resistências, dificultando o acesso de crianças e adolescentes às informações sobre a VS. Objetivo: Analisar os sentimentos dos adolescentes escolares sobre violência sexual e o papel da escola no enfrentamento. Método: Estudo descritivo e exploratório, com abordagem qualitativa. A produção de dados foi embasada através de um questionário semiestruturado com adolescentes escolares de quatro unidades de ensino da rede estadual do Piauí, no município de Teresina. Na análise dos dados das entrevistas, utilizou-se da Classificação Hierárquica Descente (CHD) do software IRAMUTEQ® sob aporte teórico das Representações Sociais. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Piauí, sob o parecer de número 4.343.397, e obteve parecer favorável da instituição coparticipante. Resultados: Participaram 22 adolescentes escolares que integram a rede escolar da SEDUC-PI. Sendo 21 alunos cursando Ensino Médio e um 8º ano pelo Ensino de Jovens e Adolescentes (EJA). Idades variando entre 18 e 19 anos, desses, 16 do sexo feminino e seis do sexo masculino. A cor autorreferida majoritariamente foi parda, seguida de preta e branca. Quanto a situação conjugal, 21 estudantes declararam-se solteiros e um casado. Quanto a possuir filhos, nenhum referiu possuir. Observou-se que em sua maioria a estrutura familiar é composta por diversas figuras. A renda variou em um a cinco saláriosmínimos, cinco entrevistados informaram contribuir na renda familiar. Foram identificadas 99 Unidades de Contexto Elementar classificadas em 129 segmentos de texto que representam 76,74% do corpus. Os resultados apresentam-se em seis classes: Classe 1- Vivências da Violência Sexual por adolescentes escolares - nessa classe houve 14,1% de aproveitamento do corpus total. Na Classe 2- Consequências na vida das vítimas de Violência Sexual - houve 16.16% de aproveitamento do corpus total. Na Classe 3- Dificuldades de comunicação sobre sexualidade e VS nas escolas - nessa classe houve 20,2% de aproveitamento do corpus total. Na Classe 4- Impactos da vivência com a Violência sexual na saúde mental das vítimashouve 15,15% de aproveitamento do corpus total. Na Classe 5- Percepções da Violência Sexual por adolescentes escolares- houve 18,18% de aproveitamento do corpus total, e por fim, a Classe 6 - Lacunas na oferta de educação sexual nas escolas - houve 16,16% de aproveitamento do corpus total. Considerações finais: Evidenciou-se a presença das violências sexuais na vida de adolescentes em seu cotidiano e como é necessário enfrentá-la. Compreendeu-se que mesmo se tratando do espaço escolar, há uma significante ausência de informação. Foi possível verificar que as consequências psicossociais da violência sexual contra crianças e adolescentes são muitas. Embora notório a necessidade de apoio e atendimento especializado, constatou-se que a maioria das vítimas tomam a vivência como algo comum e momentâneo e não buscam redes de enfrentamento para essa injúria. Espera-se que a pesquisa em tela possa contribuir com subsídios para a elaboração de ações e políticas de amparo e prevenção às crianças e adolescentes vítimas de VS. 


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - CARMEN VIANA RAMOS - UNINOVAFAPI
Externo ao Programa - 1905399 - FRANCISCA TEREZA DE GALIZA
Presidente - 2221112 - MARCIA ASTRES FERNANDES
Externo ao Programa - 2583935 - OLIVIA DIAS DE ARAUJO
Notícia cadastrada em: 06/05/2022 11:17
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 03/10/2022 05:22