Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: LORENA SOUSA SOARES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LORENA SOUSA SOARES
DATA: 28/09/2016
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório PPGEnf
TÍTULO:

FIXAÇÃO DE TUBOS OROGÁSTRICOS EM RECÉM-NASCIDOS
PREMATUROS


PALAVRAS-CHAVES:

Intubação gastrointestinal; Prematuro; Recém-nascido.


PÁGINAS: 61
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

O objetivo principal deste projeto é avaliar as duas formas de fixação de tubos
orogástricos em prematuros comumente usadas em unidades neonatais. Tratar-se-á de
um estudo observacional, analítico, longitudinal, prospectivo e do tipo coorte
concorrente, a ser realizado setor de Neonatologia de um hospital público situado na
cidade de Sobral, Estado do Ceará. A população será composta por recém-nascidos
prematuros, submetidos ao uso de tubo orogástrico do tipo policloreto de vinil,
internados no setor de Neonatologia do referido hospital. Para coleta dos dados, serão
utilizados os seguintes instrumentos: para dados do perfil sócio-demográfico,
gestacional e do parto das mães e dos recém-nascidos; para dados sobre tubo
orogástrico e hemodinâmicos; Escala de Condição de Pele do Recém-nascido e Escala
de Dor no Recém-nascido. Contar-se-á com a participação da doutoranda, enfermeiras
e/ou residentes em Enfermagem em Neonatologia da instituição, local da pesquisa, que
irão ser treinadas sobre as especificidades da pesquisa, formulários e escalas de coleta.
A mesma seguirá os seguintes passos: 1º) marcação das incubadoras/leitos com adesivo
identificando RN participante da pesquisa; 2º) colocação dos instrumentos de coleta de
dados nos prontuários dos RNs participantes ou em pastas específicas, destinadas para
este fim e acondicionadas em local adequado e aplicação do Instrumento 1; 3º)
aplicação dos instrumentos sobre perfil das mães e dos recém-nascidos e do tubo
orogástrico e a Escala de Condição de Pele no momento do início da coleta e nos
demais dias de internação, em turno específico, pré-estabelecido e padronizado,
preferencialmente, pela manhã ou tarde; 4º) a coleta seguirá por nove dias (D1 a D9) ou
até algum critério de descontinuidade, considerando-se que, em 2015, o tempo médio de
permanência na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal foi de 9,6 dias e na Unidade de
Cuidados Intermediários foi de 8,4 dias; 5º) na troca eletiva do tubo, que deve ocorrer,
no mínimo, uma vez durante o tempo da coleta, já que o serviço padroniza a troca a
cada 3-5 dias, aplicar a Escala de Dor, no momento da troca ou aplicar na inserção de
novo tubo por retirada não-eletiva. Ressalta-se que os pesquisadores já terão uma escala
de trocas agendada a partir da identificação das etiquetas colocadas nos tubos
orogástricos.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2572995 - AIRTON MENDES CONDE JUNIOR
Presidente - 1655148 - GRAZIELLE ROBERTA FREITAS DA SILVA
Externo ao Programa - 2730060 - LUISA HELENA DE OLIVEIRA LIMA
Interno - 2335983 - MARCIA TELES DE OLIVEIRA GOUVEIA
Externo à Instituição - MARIA VERA LÚCIA MOREIRA LEITÃO CARDOSO - UFC
Interno - 2364966 - ROSILANE DE LIMA BRITO MAGALHAES
Interno - 1167764 - TELMA MARIA EVANGELISTA DE ARAUJO
Notícia cadastrada em: 01/09/2016 08:27
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 25/09/2022 04:58