Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MARIA AUGUSTA ROCHA BEZERRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIA AUGUSTA ROCHA BEZERRA
DATA: 19/12/2016
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório PPGEnf
TÍTULO: EXPERIÊNCIAS MATERNAS DE PERDA DE UM FILHO POR ACIDENTE DOMÉSTICO: UMA COMPREENSÃO FENOMENOLÓGICA-EXISTENCIAL
PALAVRAS-CHAVES: Atitude frente à morte; acidentes domésticos; criança; relações mãe-filho
PÁGINAS: 66
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

O objetivo deste projeto é compreender a experiência das mães que perderam seus filhos em decorrência de acidentes domésticos. Trata-se de uma pesquisa qualitativa sob a ótica da fenomenologia existencial de Martin Heidegger, a ser realizada na Rede de Atenção Básica do município de Floriano, Estado do Piauí. As participantes serão mães cujos filhos morreram em decorrência de acidentes domésticos. Para produção de dados, os Agentes Comunitários de Saúde (ACS) serão convidados a auxiliar a identificar as potenciais participantes do estudo e colaborar na aproximação. Proceder-se-á à construção de um cronograma de atividades para que, individualmente, todos os ACS possam indicar os domicílios onde ocorreram óbitos de crianças em decorrência de acidentes domésticos. Após localização, as mães serão convidadas a participar do estudo. A técnica utilizada será a entrevista fenomenológica, a ser conduzida pelas pesquisadoras executantes de forma gradativa. O roteiro de entrevista será aplicado em duas partes: a primeira abrangerá a caracterização sociodemográfica da participante e a caracterização do acidente (que possibilitará conhecer a história da mãe e do acidente doméstico que gerou a morte de seu filho), e a segunda a seguinte questão orientadora: Fale livremente como foi para você a perda de seu(ua) filho(a). A partir dessa primeira interrogação, permitir-se-á que a participante fale livremente sobre as nuances envolvendo o fenômeno. As entrevistas serão conduzidas em ambiente reservado, somente com a presença da pesquisadora e da participante. Pretende-se que seja realizada a áudio-gravação de todos os encontros em gravador digital, com autorização prévia e validadas quanto ao conteúdo. Ao final, as entrevistas serão armazenadas em arquivos digitais de áudio, em um banco de dados, para posterior transcrição pela pesquisadora. Também, um diário de campo será utilizado para facilitar o registro da comunicação não-verbal e paraverbal que poderá colaborar na análise dos dados. Ademais, a produção e análise dos dados ocorrerá simultaneamente; logo, não haverá um critério amostral, com o encerramento da etapa de produção dos dados ocorrendo quando se perceber repetitividade nos discursos, que expressa o mostrar-se do fenômeno em sua essência. Os procedimentos analíticos, através da analítica heideggeriana, envolverão: descrição fenomenológica, compreensão vaga e mediana e compreensão interpretativa e hermenêutica. Quanto aos aspectos éticos e legais da pesquisa vale ressaltar que esta será realizada mediante aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Piauí, buscando atender as exigências do Conselho Nacional de Saúde no que diz respeito à execução de pesquisas com seres humanos.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1167726 - CLAUDETE FERREIRA DE SOUZA MONTEIRO
Interno - 1350197 - FERNANDA VALERIA SILVA DANTAS AVELINO
Interno - 1655148 - GRAZIELLE ROBERTA FREITAS DA SILVA
Externo à Instituição - IVIS EMÍLIA DE OLIVEIRA SOUZA - UFRJ
Interno - 2335983 - MARCIA TELES DE OLIVEIRA GOUVEIA
Externo à Instituição - MARIALDA MOREIRA CHRISTOFFEL - UFRJ
Presidente - 1167659 - SILVANA SANTIAGO DA ROCHA
Notícia cadastrada em: 25/11/2016 10:42
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 03/10/2022 05:01