Notícias

Banca de DEFESA: ALINE COSTA DE OLIVEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ALINE COSTA DE OLIVEIRA
DATA: 16/02/2018
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório PPGEnf
TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE PESSOAS COM FERIDAS CRÔNICAS
PALAVRAS-CHAVES: Feridas crônicas; Qualidade de vida; Avaliação
PÁGINAS: 105
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

O estudo objetivou avaliar a qualidade de vida de pessoas com feridas crônicas. Trata-se de um estudo observacional, analítico e transversal, realizada com 102 pessoas atendidas em domicilio e 74 em um ambulatório de feridas complexas. Os dados foram coletados entre os meses de março a agosto de 2017, utilizando os seguintes instrumentos: questionário para avaliação mental, formulário sobre caracterização sociodemográfica e clínica, questionário para avaliação das atividades básicas diárias – índice de Katz, Cardiff Wound Impact Schedule – CWIS e Freiburg Life Quality Assessment–Wound – FLQA- Wk. As analises foram realizadas por meio dos testes ANOVA, Mann-Whitney e Kruskal-Wallis. No domicilio, destacaram se as seguintes características: sexo masculino (51%), idade de 60 anos ou mais (50%), com ensino fundamental (54,9%) e renda familiar de um a dois salários mínimos (62,8%). Realizando curativo diário (96%), com ferida única (66,7%), tempo de lesão acima de 12 meses (51%), predominando as úlceras vasculogênicas (31,4%) em membros inferiores (98%). No ambulatório foram: sexo masculino (52,7%), entre 41 a 59 anos (40,5%), com ensino fundamental (51,4%) e renda de familiar de um a dois salários mínimos (70,3%). Realizando curativos entre uma a duas vezes por semana (67,6%), com ferida única (83,8%) e duração de até 6 meses (45,9%), sendo frequente as úlceras vasculôgenicas (35,1%) em membros inferiores (87,8%). De acordo com índice de Katz, 82,5% e 93,1% dos participantes do domicilio e ambulatório se categorizaram como independentes. A QV avaliada pelo CWIS teve o domínio bem-estar como menores média de 43,9 e 33,2 em domicilio e ambulatório. No FLQA-Wk o domínio mais afetado no domicilio e ambulatorio foram vida diária com 3,8 e 3,0, respectivamente. Os fatores que apresentaram associações com a QV foram: sexo, escolaridade, faixa etária, situação conjugal, situação ocupacional, renda individual, lesão medular, anemia falciforme, uso de medicação, mobilidade, intervalo de troca de curativos, tempo de tipo da ferida, tamanho da ferida, tecido predominante, profundidade da lesão, quantidade e aspecto do exsudato, odor e intensidade da dor. Conclui-se que os fatores externos e internos influenciam na QV das pessoas com feridas crônicas, sendo necessário acompanhamento multiprofissional e integral direcionado a pessoa com ferida e sua família, baseada no contexto social em que essa pessoa está inserida.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2334938 - ANA MARIA RIBEIRO DOS SANTOS
Interno - 1792859 - ELAINE MARIA LEITE RANGEL ANDRADE
Presidente - 7422147 - LIDYA TOLSTENKO NOGUEIRA
Externo à Instituição - MARIA ÂNGELA BOCCARA DE PAULA - Unitau
Notícia cadastrada em: 09/02/2018 14:52
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 04/10/2022 23:54