Notícias

Banca de DEFESA: ERICA DE ALENCAR RODRIGUES NERI

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ERICA DE ALENCAR RODRIGUES NERI
DATA: 27/04/2018
HORA: 15:00
LOCAL: Auditório PPGEnf
TÍTULO: FATORES ASSOCIADOS AO DESEMPENHO DA VIGILÂNCIA DE CONTATOS DE HANSENÍASE EM ÁREAS HIPERENDÊMICAS NO ESTADO DO PIAUÍ
PALAVRAS-CHAVES: Hanseníase, Vigilância, Prevenção & Controle
PÁGINAS: 91
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

INTRODUÇÃO: O controle da hanseníase evoluiu nas últimas décadas, entretanto, a doença ainda persiste como importante problema de saúde pública, expresso pelo aparecimento de novos casos. A despeito da recomendação prioritária de avaliação dermatoneurológica qualificada de contatos com o intuito de interromper a transmissão e evitar diagnóstico tardio, estudos têm demonstrado que esta ação não tem sido realizada de forma sistemática e qualificada. OBJETIVO: Analisar os fatores associados ao desempenho da vigilância de contatos de casos de hanseníase residentes nos municípios de Floriano e Picos, Estado do Piauí. MÉTODO: Estudo transversal analítico no qual buscou-se abordar toda a população diagnosticada com hanseníase residente em ambos os municípios no período de 2001 a 2014 e incluídas no SINAN. Foram avaliados 619 casos-referência, dos quais 310 tiveram 670 contatos domiciliares avaliados e foram incluídos nesta pesquisa. Para analisar o desempenho das ações de vigilância dos contatos foi utilizado o Escore IntegraHans. Para digitação e qualificação da base de dados foi usado o programa Epi-Info™, versão 7.1.3., e para as análises estatísticas, o SPSS, versão 20.0. Foram realizadas análises univariadas e para as bivariadas foi utilizado o teste Qui-quadrado ou Exato de Fischer. As variáveis que na análise bivariada apresentaram valor de p<0,20 foram submetidas à regressão logística. RESULTADOS: Houve predominância de adultos do sexo feminino, negros ou pardos, com apenas ensino fundamental, renda individual e familiar de um a dois salários mínimos e residentes em zona urbana, havendo mais casados entres os CASOS-REFERÊNCIA (55,48%) e mais solteiros entre os contatos (49,85%). Foi observado maior número de Paucibacilares (54,19%), forma clínica Indeterminada (37,42%) e grau de incapacidade zero (76,13%) no diagnóstico dos casos-referência. Tanto a suspeição quanto o diagnóstico foram realizados na maioria das vezes em serviços de referência. A maioria dos contatos domiciliares (62,24%) não realizaram exame dermatoneurológico, 49,85% foram orientados sobre BCG, 47,16% vacinados, 34,18% orientados a chamar outros contatos para avaliação, apenas 16,12% receberam orientação para retornar à unidade de saúde para novas avaliações e o Escore IntegraHans foi classificado como ruim para 62,84% dos contatos. O caso referência ter ensino fundamental aumenta as chances do desempenho da vigilância ser regular e ser casado aumenta as chances de desempenho ótimo para vigilância. CONCLUSÃO: As condições sociais dos casos-referência apresentaram influência no desempenho da vigilância de contatos domiciliares. Isso reflete a importância de uma abordagem diferenciada para os casos de hanseníase, já que todo o plano terapêutico e vigilância epidemiológica dependem do entendimento das informações recebidas e autorização para abordagem familiar.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ALBERTO NOVAES RAMOS JÚNIOR - UFC
Interno - 7422147 - LIDYA TOLSTENKO NOGUEIRA
Presidente - 1167764 - TELMA MARIA EVANGELISTA DE ARAUJO
Externo ao Programa - 423325 - VIRIATO CAMPELO
Notícia cadastrada em: 13/04/2018 10:22
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 02/10/2022 22:14