Notícias

Banca de DEFESA: PRISCILA MARTINS MENDES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: PRISCILA MARTINS MENDES
DATA: 17/12/2018
HORA: 15:00
LOCAL: Auditório PPGEnf
TÍTULO: CULTURA DE SEGURANÇA DO PACIENTE EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DE UMA CAPITAL DO NORDESTE BRASILEIRO
PALAVRAS-CHAVES: Segurança do Paciente; Cultura organizacional; Pessoal de saúde; Atenção primária à saúde
PÁGINAS: 145
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

O sistema de saúde vem se tornando mais complexo, necessitando de ações que promovam o cuidado seguro. Para tanto, é necessário o estabelecimento de uma cultura de segurança dentro do ambiente de saúde. É mais comum ouvir falar de segurança do paciente nos ambientes hospitalares do que na atenção primária à saúde (APS). A APS presta assistência a um quantitativo expressivo da população, com demandas dentro e fora da Unidade Básica de Saúde (UBS). O objetivo deste estudo foi avaliar a cultura de segurança do paciente na atenção primária à saúde na perspectiva dos profissionais da equipe multiprofissional e das áreas de apoio. Trata-se de um estudo transversal desenvolvido nas UBS da zona urbana de uma capital do Nordeste. A população foi constituída por profissionais efetivos do município inseridos na equipe multiprofissional (profissionais da saúde) e nas áreas de apoio (administrador, gerente e diretor administrativo) com amostra estratificada (por zonas), totalizando 332 participantes. Os dados foram coletados em três zonas territoriais da capital (zona norte/centro, leste/sudeste e sul). Os dados foram coletados entre os meses de novembro de 2017 a fevereiro de 2018. Para análise utilizou a estatística descritiva e analítica. A pesquisa recebeu aprovação do Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade Federal do Piauí sob o parecer de nº 2.216.556 e CAAE 72543317.8.0000.5214. O perfil dos profissionais demonstra que a idade variou entre 22 e 71 anos, com média e desvio padrão de 43,1±9,9 anos e intervalo de confiança de 95% de 41,9-44,2 anos. Quanto a variável sexo, há predominância de mulheres com percentual de 80,4%. Com relação ao grau de instrução, 31,6% dos participantes possuem pós-graduação. O Cargo mais frequente (52,4%) foi “outro pessoal clínico” que envolve diversas categorias, seguido dos técnicos de enfermagem (27,1%) e dos enfermeiros (15,1%). Na categoria outro pessoal clínico, os agentes comunitários de saúde (ACS) se destacaram com 66,9%. No que pertence ao tempo de trabalho na profissão, as três zonas apresentaram com maior frequência de 16 a 20 anos (23,2%) seguido de 11 a 15 anos (22,3%). Quanto ao conhecimento dos participantes sobre segurança do paciente, nas três zonas, 65,4% dos participantes nunca fizeram curso de segurança do paciente. Quanto ao significado de segurança do paciente, 53,9% dos participantes responderam corretamente o conceito da temática. Em contrapartida, 33,1% responderam que segurança do paciente é correspondente ao conceito de dano instituído pela Organização Mundial de Saúde. Quanto as dimensões, as áreas fortalecidas foram “trabalho em equipe”, “seguimento da assistência ao paciente”, “aprendizagem organizacional” e “percepção geral sobre segurança do paciente e qualidade”. Como áreas de melhoria, as dimensões que apresentaram fragilidades foram “pressão no trabalho e ritmo” e “apoio dos gestores na segurança do paciente”.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1350197 - FERNANDA VALERIA SILVA DANTAS AVELINO
Interno - 1655148 - GRAZIELLE ROBERTA FREITAS DA SILVA
Externo à Instituição - MARIA CRISTINA SOARES RODRIGUES - UnB
Interno - 1167659 - SILVANA SANTIAGO DA ROCHA
Notícia cadastrada em: 30/11/2018 10:36
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 03/10/2022 06:04