Notícias

Banca de DEFESA: JEFFERSON ABRAÃO CAETANO LIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JEFFERSON ABRAÃO CAETANO LIRA
DATA: 13/12/2019
HORA: 15:00
LOCAL: Auditório PPGEnf
TÍTULO: AVALIAÇÃO DO RASTREAMENTO E DA MONITORIZAÇÃO DE PESSOAS COM PÉ DIABÉTICO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
PALAVRAS-CHAVES: Pé Diabético. Avaliação em Saúde. Programas de Rastreamento. Monitoramento. Enfermagem
PÁGINAS: 85
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

Introdução: O pé diabético consiste em infecção, ulceração e/ou destruição de tecidos profundos associadas às anormalidades neurológicas e à doença vascular periférica, sendo o rastreamento o levantamento dos fatores de risco e a monitorização o seguimento da assistência. Objetivo: Avaliar o rastreamento e a monitorização de pessoas com pé diabético na Atenção Primária à Saúde. Método: Estudo observacional, analítico e transversal realizado em Teresina, no âmbito da Atenção Primária à Saúde, com 322 pacientes com Diabetes Mellitus (DM) cadastrados no Programa Hiperdia da regional Centro-Norte. A coleta de dados ocorreu nos meses de fevereiro a agosto de 2019. Os dados foram tabulados no Microsoft Excel 2013 e processados no SPSS versão 22.0, mediante estatísticas descritiva e inferencial. Na análise bivariada, utilizaram-se os testes estatísticos Mann-Whitney, Kruskall-Wallis e Qui quadrado de Pearson. A força de associação entre as variáveis categóricas foi aferida pelo Odds Ratio (OR) com Intervalos de Confiança (IC) de 95%. Na análise multivariada, empregou-se a regressão logística binária. Consideraram-se significativos os valores de p<0,05. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Piauí, com parecer n° 2.817.426. Resultados: A maioria dos participantes era idoso jovem (53,4%), sexo feminino (70,2%), pardo (70,2%), com companheiro (62,4%) e renda de um salário mínimo (64%). A maior parte era aposentado (33,2%) e com ensino fundamental incompleto (44,4%). Prevaleceram o DM tipo 2 (94,4%), uso de hipoglicemiantes orais (86%), controle glicêmico inadequado (51,9%), dislipidemia (66,1%) e hipertensão arterial (72%). Em relação aos sinais e sintomas da neuropatia diabética, 49,4% relataram dormência nas pernas e/ou pés, 42,9% dor em queimação, 59% câimbras, 34,5% fraqueza e 66,1% pele seca. O pé direito apresentou mais anormalidade (68,9%), sendo a pele seca e/ou calosidades as complicações mais comuns (57,1%) e 1,9% tinham úlcera. No pé esquerdo, 42,9% apresentaram ausência na percepção de vibração ao diapasão de 128 Hz. Já no direito 8,1% tiveram ausência de sensibilidade protetora plantar ao monofilamento de 10 g. Além disso, 86,3% não tinham sido submetidos ao exame clínico dos pés, 59% apresentaram neuropatia diabética, 3,1% pé diabético, 69,6% risco de pé diabético e 57,8% não receberam qualquer tipo de monitorização. No modelo multivariado, a situação conjugal com companheiro (p=0,007; ORa:0,47; IC:0,27-0,81) e a menor quantidade de complicações nos pés (p<0,001; ORa:0,63; IC:0,51-0,77) foram fatores de proteção para o desenvolvimento do pé diabético e a não realização do rastreamento se mostrou fator de risco (p=0,046; ORa:2,10; IC:1,01-4,39). O controle glicêmico inadequado (p<0,001; ORa:3,02; IC:1,74-5,25), a indisposição para cuidar dos pés (p=0,014; ORa:2,90; IC:1,24-6,79) e a não realização do autoexame dos pés com frequência (p=0,040; ORa:2,11; IC:1,03-4,32) aumentaram as chances para o risco de pé diabético. Conclusão: Os aspectos sociodemográficos, clínicos e o autocuidado interferem no risco de pé diabético. Apesar da maioria dos pacientes com DM apresentar risco de pé diabético, a maior parte não era submetida ao rastreamento e à monitorização. Ademais, o não rastreamento foi fator de risco para o pé diabético, destacando a importância dessa prática na assistência de enfermagem às pessoas com DM.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2334938 - ANA MARIA RIBEIRO DOS SANTOS
Presidente - 7422147 - LIDYA TOLSTENKO NOGUEIRA
Externo à Instituição - PAULA CRISTINA NOGUEIRA - USP
Interno - 1167764 - TELMA MARIA EVANGELISTA DE ARAUJO
Notícia cadastrada em: 27/11/2019 17:28
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 25/09/2022 07:28