Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ELIZAMA DOS SANTOS COSTA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ELIZAMA DOS SANTOS COSTA
DATA: 12/03/2021
HORA: 08:30
LOCAL: Remotamente
TÍTULO: ANÁLISE DA OCORRÊNCIA DE EVENTOS ADVERSOS PÓS-VACINAÇÃO EM SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE DO PIAUÍ
PALAVRAS-CHAVES: Imunização; Vacinas; Evento Adverso.
PÁGINAS: 55
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

INTRODUÇÃO: As vacinas estão entre as principais conquistas da humanidade, e estima-se reduzir entre dois a três milhões de mortes a cada ano. O número crescente de indivíduos vacinados demonstra que eventos adversos e reações indesejáveis acontecem. Contudo, é necessário esclarecer que a pessoa não imunizada se coloca sob maior risco de adoecer, além de contribuir para a diminuição da cobertura vacinal e, por conseguinte, favorecer a persistência da cadeia de transmissão das doenças. OBJETIVOS: O objetivo geral foi analisar os fatores associados aos Eventos Adversos Pós-Vacinação(EAPV) notificados nos serviços de saúde pública do Piauí. Objetivos específicos: Caracterizar a população do estudo quanto à idade, sexo, raça e procedência; Identificar os tipos de manifestações mais frequentes (locais ou sistêmicas); Estimar a ocorrência de manifestação sistêmica, por vacina administrada, por dosee por faixa etária; Analisar as condutas profissionais frente aos EAPV;Identificar possíveis associações entre a ocorrência de manifestação sistêmica (sim/ não) e o imunobiológico administrado, por grupo etário, sexo, via e local de aplicação. MÉTODO: Trata-se de um estudo transversal, com coleta retrospectiva, a partir da base de informações composta por dados secundários, provenientes do Sistema de Informação de Eventos Adversos Pós-Vacinação - SIEAPV, do Programa Estadual de Imunização do Piauí/Brasil. A coleta de dados ocorreuno mês de setembro de 2020 e a população do estudo consistiu nouniverso de casos de EAPV (n=571), notificados no período de julho de 2014 a setembro de 2020.Para as análises foi utilizado o programa SAS® University Edition.A caracterização da população do estudo bem como a distribuição e caracterização dos EAPV foi feita por meio de frequências absolutas e percentuais. O teste de Qui-quadrado foi utilizado para identificar os fatores associados à ocorrência dos eventos. Em seguida, aqueles eventos com associação estatística ao nível de p<0,05 foram submetidos à regressão logística com o uso de Odds Ratio e os seus respectivos intervalos de confiança (95%). RESULTADOS: Predominou o sexo feminino (60,3%), menores de um ano (57,3%), de raça/cor parda (48,8%) e procedente do interior do estado (61,1%). Os eventos adversos notificados, foram sistêmicos e leves, na sua maioria (75.5%), evoluindo para cura(100%),sem sequelas ou maiores danos aos pacientes (100%). Dentre as manifestações locais, as mais frequentes foram calor, dor, edema, eritema ou rubor (32,1%) e abscesso quente (5,2%), e dentre as sistêmicas sobressaíram a febre (15%), dispneia e cianose (12,6%), náuseas e vômitos (10,5%), seguidas de choro persistente (7,9%).Em relação às condutas frente aos EAPV, observou-se que a manutenção do esquema vacinal foi a mais adotada. Os participantes com faixa etária entre 0-9 anos tiveram chances 2,08 vezes maior de ocorrência de manifestação sistêmica (OR=2.08), comparados ao grupo etário 20-59. Os de pele branca/parda tiveram as chances de ter eventos sistêmicos aumentados em 81%, quando comparados aos demais (OR=1,81). Além disso, aplicações de vacinas no músculo deltoide reduziram em 69% as chances de ocorrência de manifestação sistêmica (OR=0.31), quando comparadas as aplicações no músculo vasto lateral da coxa. CONCLUSÃO: Os benefícios de receber vacinas e prevenir doenças superam os riscos de possíveis eventos adversos, pois, na sua maioria são benignos e fugazes. Desse modo, o processo contínuo e sistemático de monitoramento dos EAPV constitui o principal instrumento de controle da segurança das vacinas, e, nesta perspectiva,intervenções na organização e na atividade prática dos serviços de saúde para notificação dos EAPV, em nível estadual e municipal.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2792239 - ANDREIA RODRIGUES MOURA DA COSTA VALLE
Externo à Instituição - FABRICIO IBIAPINA TAPETY - UNINOVAFAPI
Interno - 1167659 - SILVANA SANTIAGO DA ROCHA
Presidente - 1167764 - TELMA MARIA EVANGELISTA DE ARAUJO
Notícia cadastrada em: 11/03/2021 11:06
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 04/10/2022 23:18