Notícias

Banca de DEFESA: RAYLANE DA SILVA MACHADO

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RAYLANE DA SILVA MACHADO
DATA: 20/12/2021
HORA: 14:00
LOCAL: Remotamente
TÍTULO: EVIDÊNCIAS DE VALIDADE DA VERSÃO BRASILEIRA DA DEATH ATTITUDE PROFILE REVISED (DAP-R) NA ENFERMAGEM
PALAVRAS-CHAVES: Atitude frente à morte; Estudos de Validação; Enfermagem
PÁGINAS: 126
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

As atitudes frente à morte em profissionais da enfermagem têm sido objeto de múltiplos estudos por influenciarem na tomada de decisão, no comportamento e na assistência prestada a indivíduos em fim de vida. Em pesquisas internacionais, destaca-se o uso da Death Attitude Profile Revised (DAP-R) por ser uma escala multidimensional que avalia atitudes negativas, positivas e neutras, sendo baseada na análise conceitual de aceitação da morte. Buscando-se a aplicabilidade dessa escala na prática e na pesquisa, objetivou-se analisar as evidências de validade da versão traduzida e adaptada da DAP-R para o português brasileiro, em estudantes e profissionais da enfermagem. Estudo metodológico, composto por verificação da validade baseada na estrutura interna, análise de confiabilidade e validade baseada nas relações com medidas externas em uma amostra não probabilística de 696 profissionais e estudantes de enfermagem. A coleta de dados ocorreu de forma eletrônica entre os meses de janeiro a agosto de 2021. Os dados foram organizados, tabulados e tratados a partir de planilhas eletrônicas Google Docs, software Factor e SPSS. Para validade baseada na estrutura interna foi realizada Análise Fatorial Exploratória (AFE). A validade convergente foi determinada por meio da análise de correlações entre as subescalas da DAP-R e destas com a Templer’s Death Anxiety Scale (DAS), sendo feito cálculo do ρ de Spearman. A confiabilidade e a consistência interna foram verificadas por meio do coeficiente de correlação interclasse, do alfa de Cronbach e da Confiabilidade Composta. A DAP-R na versão brasileira foi composta por 4 fatores que explicaram 60,6% da variância total. Na AFE os itens de Medo da Morte se uniram aos itens de Evitar a Morte gerando um fator único com 12 itens. A dimensão Aceitação Natural ficou reduzida a 3 itens, Aceitação como Transcendência (9 itens) e Aceitação como fuga (5 itens). A dimensão Medo da Morte e Evitar a Morte se correlacionou positivamente com os escores da DAS e Aceitação Natural se correlacionou negativamente. Os índices de ajuste do instrumento foram bons ( 2= 795,92, gl = 296; p<0,001;  2 /gl = 2,69, RMSEA = 0,053; CFI = 0,965; TLI = 0,954). Os níveis de cargas fatoriais, comunalidades e discriminação dos itens foram adequados, bem como a estabilidade e a replicabilidade do instrumento para outras populações. A versão brasileira do instrumento apresentou boa consistência interna (CC>0,80; α de 0,67 a 0,88), níveis elevados de medidas de qualidade e efetividade das estimativas dos fatores do modelo (FDI>0,91; ORION > 0,84; EPDT>90,0%). Este é um indicativo de um modelo bem definido com fontes de evidências adequadas para verificação das atitudes frente à morte na enfermagem brasileira. 


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2073270 - FERNANDO JOSÉ GUEDES DA SILVA JÚNIOR
Presidente - 1655148 - GRAZIELLE ROBERTA FREITAS DA SILVA
Externo à Instituição - JACQUELINE SCHMIDT RIO-VALLE - Granada
Interno - 1888794 - JOSE WICTO PEREIRA BORGES
Interno - 2221112 - MARCIA ASTRES FERNANDES
Interno - 2335983 - MARCIA TELES DE OLIVEIRA GOUVEIA
Externo à Instituição - MONICA OLIVEIRA BATISTA ORIÁ - UFC
Notícia cadastrada em: 01/12/2021 16:40
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 06/10/2022 00:09