Notícias

Banca de DEFESA: RAYLA MARIA PONTES GUIMARÃES COSTA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RAYLA MARIA PONTES GUIMARÃES COSTA
DATA: 29/06/2022
HORA: 14:30
LOCAL: Remotamente
TÍTULO: PROCESSOS TRANSICIONAIS DE PESSOAS QUE CONVIVEM COM SEQUELAS DE HANSENÍASE: UMA PESQUISA-CUIDADO
PALAVRAS-CHAVES: Adaptação. Pessoas com deficiências. Hanseníase. Cuidado Transicional
PÁGINAS: 131
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

Introdução: A hanseníase representa um grave problema de saúde pública por causar danos neurais que geram incapacidades físicas, podendo evoluir para deformidades e, assim, comprometer a qualidade de vida das pessoas, demandando mudanças e adaptação à nova situação. Objetivos: Compreender a significação acerca dos processos transicionais que incidem na adaptação de pessoas que convivem com sequelas de hanseníase pela pesquisa-cuidado; descrever os processos transicionais vivenciados pelas pessoas com sequelas de hanseníase; apreender as estratégias de enfrentamento diante do processo de transição de pessoas que convivem com sequelas de hanseníase para o alcance da qualidade de vida. Método: Trata-se de uma pesquisa-cuidado com abordagem qualitativa. A pesquisa-cuidado permitiu ao enfermeiro pesquisar e cuidar ao mesmo tempo. Sendo assim, a pesquisa-cuidado desenvolveu-se em cinco etapas: aproximação com o objeto de estudo; encontro da pesquisadora (cuidadora) com o ser pesquisado (cuidado); estabelecimento das conexões da pesquisa, teoria e prática do cuidado; afastamento dos seres pesquisador e pesquisado; e análise do apreendido. A pesquisa foi realizada no Hospital Colônia do Carpina em ParnaíbaPI, nosocômio público estadual, que funciona como uma instituição de longa permanência. Os participantes foram 24 pessoas que convivem com sequelas da hanseníase. Os critérios de inclusão foram: apresentar sequelas permanentes com diferentes graus de incapacidades decorrentes da hanseníase, e ter disponibilidade e interesse em participar do estudo. Foram excluídos aqueles que estiveram ausentes da instituição durante o período da coleta de dados. Foi utilizado um roteiro com perguntas abertas para a entrevista semiestruturada. A pesquisa foi cadastrada na Plataforma Brasil para apreciação do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Universidade Federal do Piauí – UFPI, que obteve aprovação sob número CAAE: 43128721.5.0000.5214. A análise dos dados foi realizada pelo software Iramuteq, programa gratuito e de fonte aberta, criado por Pierre Ratinaud. Realizou-se um único corpus e analisou-se por meio da nuvem de palavras, Análise de Similitude e Classificação Hierárquica Descendente. Resultados: As respostas da entrevista foram organizadas em um único corpus, sendo identificadas por linhas de comando compostas pelas informações sociodemográficas, diagnóstico e sequelas da hanseníase, mudanças que ocorreram em decorrência da hanseníase, bem como, os processos transicionais vivenciados. Os resultados foram apresentados em quatro eixos temáticos: significação acerca dos processos transicionais; descrição dos processos transicionais; apreensão das estratégias de enfrentamento dos processos transicionais; e terapêuticas de enfermagem à luz da Teoria de Transição mediada pela pesquisa-cuidado. Detalha-se a vulnerabilidade do ser em transição, o impacto da hanseníase na vida pessoal, familiar e social, tendo a espiritualidade e a religiosidade como condição facilitadora do processo transicional e, ainda, o fim das transições de modo saudável com a aceitação da condição de saúde. Considerações Finais: Espera-se que o estudo contribua para promoção de ações de cuidado transicional e estimule a implementação de políticas de promoção da saúde mental do público-alvo, com vistas à melhoria da qualidade de vida e do bemestar. Por fim, verificou-se que esta pesquisa confirmou a tese de que a Teoria de Transição no cuidado transicional de pessoas que convivem com sequelas de hanseníase, mediada pela pesquisa-cuidado, favorece a identificação dos significados que incidem na adaptação e no alcance da qualidade de vida. 


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1905399 - FRANCISCA TEREZA DE GALIZA
Externo à Instituição - IVETE PALMIRA SANSON ZAGONEL - FPP
Presidente - 2221112 - MARCIA ASTRES FERNANDES
Interno - 1167658 - MARIA ELIETE BATISTA MOURA
Externo ao Programa - 2583935 - OLIVIA DIAS DE ARAUJO
Externo à Instituição - SIMONE HELENA DOS SANTOS OLIVEIRA - UFPB
Interno - 1167764 - TELMA MARIA EVANGELISTA DE ARAUJO
Notícia cadastrada em: 26/05/2022 15:35
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 25/09/2022 09:29