Notícias

Banca de DEFESA: ANTONIA MAURYANE LOPES

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANTONIA MAURYANE LOPES
DATA: 30/12/2022
HORA: 14:00
LOCAL: Remotamente
TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM DOENÇA INFLAMATÓRIAL INTESTINAL
PALAVRAS-CHAVES: Administração de caso; Doenças Inflamatórias Intestinais; Doença de Crohn; Enfermagem; Inovação tecnológica; Ensaio clínico
PÁGINAS: 101
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

Avaliação da qualidade de vida das pessoas que vivem com Doença Inflamatória Intestinal é um dos indicadores assistenciais que têm mostrado efetividade para a melhoria. A qualidade de vida, avaliada por meio de instrumentos que se configuram como tecnologias leves na prática assistencial da enfermagem em Doença Inflamatória Intestinal, como o IBDQ constitui uma ferramenta facilitadora na investigação dos fatores de impacto na qualidade de vida do grupo, e o seu uso torna-se fator coadjuvante no tratamento. Este estudo tem como objetivo avaliar a qualidade de vida dos pacientes com Doença Inflamatória Intestinal em tratamento ambulatorial no Hospital Universitário do Piauí e sua associação com as variáveis sociodemográficas e clínicas. O método utilizado foi estudo observacional, de coorte transversal com abordagem quantitativa realizado no período de 2020 a 2022. Os dados foram coletados por meio de formulários para caracterização sociodemográfica, clínica, avaliação da qualidade de vida. Os dados foram analisados com a utilização dos seguintes softwares estatísticos: StatisticalPackage for the Social Science (SPSS), versão 20.0 e R-Projc, versão 4.2.2. Utilizouse análise univariada descritiva através de gráfico, tabelas, medidas de posição e dispersão. Ademais, aplicou-se o teste de Shapiro-Wilk para verificar a pressuposição de distribuição normal ou gaussina das variáveis quantitativas contínuas. Na bivariada, foram utilizados o teste Qui-quadrado de Pearson (!") para associar as variáveis qualitativas, assim como o teste t de Student, ou Análise de variância e teste Z de Kolmogorov-Smirnov. Utilizou-se regressão de  Logística Múltipla (RLM) com razão de chance ajustada (ORaj). O critério para inclusão de variáveis no modelo logístico foi a associação ao nível de 20% (p˂0,200) na análise bivariada. O critério de significância ou permanência das variáveis no modelo, por sua vez, foi a associação em nível de 5% (p˂0,05). O teste de bondade de ajuste (Teste de Hosmer e Lemeshow) foram utilizados e a multicolinearidade foi medida pelo teste Variance Inflation Factor. Todos os princípios éticos de pesquisa com seres humanos foram mantidos. Resultados/discussão:os pacientes com Doença Inflamatória Intestinal possuem qualidade de
vida regular, sendo que os com Doença de Crohn apresentaram pior qualidade de vida quando comparados com Retocolite Ulcerativa. A qualidade de vida dessas pessoas é interferida por fatores sistêmicos, intestinais e emocionais com grande impacto negativo sendo mais baixo do que esperado. Os pacientes com DC são fortemente impactados nos aspectos emocional e sociais e com Retocolite apresentam-se com boa qualidade de vida nos aspectos emocional e social. Fatores como ser mulher, ter cor de pele negra, dona de casa, fazer uso de tabaco diário, presença de dor abdominal, comorbidades, realização de cirurgia relacionadas a doença inflamatória e internação nos últimos três meses são indicadores que pioram a qualidade de vida da clientela. Por outro lado, os ativos nos trabalhos têm sua qualidade de vida melhorada, assim como o fato de morar na capital e possui mais de 10 anos com doença. O estudo mostrou que a idade não interfere na qualidade de vida do grupo. Já os pacientes que se contaminaram com vírus SARS-CoV-2 apresentaram pior qualidade de vida, e os que se vacinaram com doses da vacina astrazênica tiveram melhor qualidade de vida quando comparadas com as demais. Em uso de imunobiológicos adalimumabe apresentam-se com melhor qualidade de vida, e os com ustequimumabe são pessoas com quatro vezes mais chance de pior qualidade de vida. Conclusão:Portanto, os pacientes com Doença Inflamatória Intestinal em tratamento ambulatorial possuem qualidade de vida regular. Os sintomas sistêmicos, intestinais e emocional interferem na qualidade de vida deste, e os fatores sociodemográficos e clínicos estão fortemente associados com baixa de qualidade.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1735254 - ANA LARISSA GOMES MACHADO
Externo ao Programa - 1668358 - ANDRE LUIS MENEZES CARVALHO
Externo ao Programa - 2073270 - FERNANDO JOSÉ GUEDES DA SILVA JÚNIOR
Presidente - 1655148 - GRAZIELLE ROBERTA FREITAS DA SILVA
Interno - 1888794 - JOSE WICTO PEREIRA BORGES
Externo à Instituição - MÁRCIO FLÁVIO MOURA DE ARAÚJO - UNILAB
Externo à Instituição - THIAGO MOURA DE ARAÚJO - UNILAB
Notícia cadastrada em: 15/12/2022 10:43
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 18/05/2024 19:21