Notícias

Banca de DEFESA: CAMILA HANNA DE SOUSA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CAMILA HANNA DE SOUSA
DATA: 09/05/2023
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório PPGEnf
TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DE LESÕES DE PÉ DIABÉTICO EM PACIENTES HOSPITALIZADOS
PALAVRAS-CHAVES: Úlcera diabética do pé. Diabetes mellitus. Hospitalização. Enfermagem
PÁGINAS: 93
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

INTRODUÇÃO: As úlceras diabéticas geraram comprometimento com os pés, sendo consideradas umas das principais causas de amputações, perda de mobilidade e alterações neurológicas que comprometem a qualidade de vida, interferindo socialmente com o indivíduo, família e o sistema de saúde. OBJETIVO: Caracterizar as lesões de pé diabético em pacientes hospitalizados e verificar a existência de associação com variavéis sociodemográficas e clínicas. METÓDOS: Estudo observacional, analítico e transversal realizado em um hospital da rede pública, com 44 participantes com Diabetes Mellitus (DM) e que apresentavam feridas nos pés. A coleta de dados ocorreu nos meses de setembro a novembro de 2022, por meio de entrevista, exame clínico, aplicação de testes de sensibilidade e avaliação das características das lesões. Os dados foram tabulados no Microsoft Excel 2016 e processados no Statistical Package for the Social Sciences-SPSS versão 26.0 utilizando estatísticas descritivas e inferenciais. Na análise bivariada, aplicado-se o teste estatístico Teste Exato de Fisher com nível de significância de 95%. Esta pesquisa é aprovada junto ao Comitê de Ética e Pesquisa com o número de parecer: 5.602.846, obedecendo às normas da Resolução 466/16 do Conselho Nacional de Saúde. RESULTADOS/DISCUSSÃO: dos participantes do estudo 52,3% moravam na zona urbana, desses 68,2% moraram em uma cidade circunvizinha da cidade polo na qual possui a unidade de referência de atendimento hospitalar; 68,2% dos participantes eram do sexo masculino, 59,1% com ≥60 anos, 68,2% eram casados ou viviam em união estável, 38,6% possuíam ensino fundamental incompleto, 63,6% eram aposentados, e 70,5% possuíam uma renda de um a dois salários mínimos. A tempo de diagnóstico do DM foi de maior/igual a 6 anos para 56,8% dos participantes. O uso de medicamentos orais foi o tipo de tratamento predominante 54,5%. O pé esquerdo obteve a maior presença de lesões com 52,3%, que estavam localizadas no antepé (73,9%). A localização das lesões no pé direito foi na região do mediopé e/ou retropé (27,8%). Em relação a neuropatia, a sensação protetora foi ausente em 72,2% do pé direito e 95,7% no esquerdo. O grau de comprometimento das lesões de acordo com o sistema SINBAD foi de alto risco para 54,5% dos participantes. Apesar de as lesões identificadas serem complexas, não foram observadas associações do grau das lesões com as características sociodemográficas e clínicas e características. CONCLUSÃO: As características das lesões de pé diabético de pacientes hospitalizados mostraram lesões complexas, com alto grau de risco para amputações. A ausência de pacientes com baixo risco de amputação homogeneizou os participantes em risco moderado e alto, interferindo na busca de associações que explicassem as lesões. As lesões complexas encontradas mostraram que é fundamental a adoções de medidas de prevenção e promoção da saúde no âmbito da Atenção Básica que evite o desenvolvimento dessas e agravamento dessas lesões e consequente tratamento em âmbito hospitalar desses pacientes.
 


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1735254 - ANA LARISSA GOMES MACHADO
Interno - 1842466 - FRANCISCO GILBERTO FERNANDES PEREIRA
Presidente - 1888794 - JOSE WICTO PEREIRA BORGES
Externo à Instituição - SANDRA MARINA GONÇALVES BEZERRA - UESPI
Notícia cadastrada em: 19/04/2023 14:12
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 18/05/2024 20:05