Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: FRANCISCO BRAZ MILANEZ OLIVEIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FRANCISCO BRAZ MILANEZ OLIVEIRA
DATA: 19/02/2014
HORA: 15:00
LOCAL: Sala de Reunião do Departamento de Enfermagem
TÍTULO:

QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS VIVENDO COM HIV/AIDS: uma proposta de intervenção para a práxis de Enfermagem


PALAVRAS-CHAVES:

HIV. Sorodiagnóstico da AIDS. Qualidade de Vida


PÁGINAS: 110
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

INTRODUÇÃO: Na dimensão do viver com HIV/AIDS, a conquista do acesso ao tratamento, a ampliação da oferta do diagnóstico ao vírus Human Imunodeficiency Vírus (HIV) e a cronicidade da doença têm provocado impactos na Qualidade de Vida (QV) das pessoas soropositivas. OBJETIVO: Avaliar a qualidade de vida em pessoas vivendo com HIV/AIDS (PVHAs) em Teresina-PI para propor um plano de intervenção terapêutica para a práxis de Enfermagem. METODOLOGIA: Realizou-se pesquisa transversal em um Serviço de Assistência Especializado (SAE) do município de Teresina-Piauí, no período de agosto a dezembro de 2013, com 146 PVHAs. Os dados foram coletados mediante aplicação de dois instrumentos: um formulário com variáveis socioeconômicas, clinicas e epidemiológicas, e uma escala de mensuração de QV, o WHOQOL-HIV bref. Posteriormente, os dados foram digitados e analisados com a utilização do Software Statistical Package for Social Science versão 20.0. A significância estatística foi fixada em p<0,05. Foram obedecidos todos os princípios da Resolução nº 466/12, do Conselho Nacional de Saúde. RESULTADOS: Observou-se que 63,7% dos sujeitos do estudo eram do sexo masculino, com média de idade de 38,4 anos, baixa escolaridade (39%), pardos (43,8%), não praticavam religião (57,5%), assintomáticos (44,5%) e tempo de infecção pelo HIV de 2 a 5 anos (50,7%). Os domínios com melhor QV foram o Psicológico (67,9), Espiritualidade (65,7), Relações Sociais (65,0), Global (64,1) e Físico (62,1). Os domínios com pior escore médio de QV foram Nível de Independência (55,1) e Meio Ambiente (59,2). Diferentes variáveis influenciaram na QV. Constatou-se que os indivíduos com baixa escolaridade, não praticantes de religião, sem ocupação remunerada, com renda per capita menor que 1 salário mínimo (SM), sem condições próprias de moradia, com história de etilismo e tabagismo, que dormiam mais de 8 horas e ingeriam menos de 3 refeições por dia, sem apoio social, com relações homo afetivas, que não usavam preservativos, que tinham menor tempo de infecção pelo HIV, que não aderiam ao tratamento antirretroviral, que possuíam  esquema terapêutico com maior número de doses, faziam uso de outros medicamentos associados, tinham história de doença de base ou infecção oportunista, ter sido hospitalizado, ter apresentado medo ou depressão e ter sofrido preconceito ou estigma, apresentaram QV considerada prejudicada em vários domínios. Os mais fortes preditores associados com os domínios de QV foram ter renda per capita maior que 1SM, praticar religião, ter ocupação remunerada, tempo de infecção pelo HIV maior que 8 anos e aderir ao tratamento, enquanto os preditores associados com pior qualidade de vida foram orientação sexual homossexual e bissexual, ter sofrido estigma ou preconceito, presença de medo, ansiedade, depressão e angústia e ter adquirido alguma DST ou infecção oportunista. CONCLUSÃO: este estudo constatou diversas variáveis que influenciam na QV das PVHAs, oferecendo importante contribuição para a equipe de saúde, pois fornece subsídios para compreender melhor os fatores que podem influenciar a QV destes indivíduos. Aponta ainda, a partir dos domínios mais prejudicados e das Necessidades Humanas Básicas afetadas pela doença, uma proposta de intervenção terapêutica a nível ambulatorial e especializado como ferramenta sistematizadora da práxis em Enfermagem.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1167589 - FRANCISCO DE OLIVEIRA BARROS JUNIOR
Presidente - 1167658 - MARIA ELIETE BATISTA MOURA
Interno - 1167764 - TELMA MARIA EVANGELISTA ARAUJO
Notícia cadastrada em: 13/02/2014 11:57
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 03/10/2022 21:23