• O sistema entrará em processo de atualização de funcionalidades às 13:45. Pedimos a todos que salvem seus trabalhos para que não haja transtornos.
    Agradecemos a compreensão, em 15 minutos o sistema estará de volta.
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: LARA PRISCILA FREITAS FERREIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LARA PRISCILA FREITAS FERREIRA
DATA: 10/10/2023
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório do NPPM
TÍTULO: EFEITO ANTIOXIDANTE DO ÁCIDO ASCÓRBICO NOS DANOS CARDÍACOS ASSOCIADOS À DOXORRUBICINA EM CARCINOMA DE MAMA MURINO
PALAVRAS-CHAVES: Ácido ascórbico. Doxorrubicina. Cardiotoxicidade. Adenocarcinoma de mama.
PÁGINAS: 65
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Farmacologia
RESUMO:

A doxorrubicina (DOX) é um dos medicamentos anticancerígenos mais eficazes no tratamento de diferentes formas de câncer, como o adenocarcinoma de mama, mas a sua utilidade terapêutica é severamente limitada pela sua associação aguda ou cardiotoxicidade crônica. O estresse oxidativo está relacionado não apenas à cardiotoxicidade da DOX, mas também a etiologia do câncer. Este trabalho teve como objetivo analisar as propriedades antioxidantes do ácido ascórbico e seu efeito in vitro em células de adenocarcinoma de mama (4T1). Foi realizada a padronização do dano cardíaco causado pela DOX (37,5 mg/Kg) em camundongos Balb-c e posterior protocolo de cotratamento com ácido ascórbico (2,5 mg/Kg, 25 mg/Kg e 100 mg/Kg), comparando-se animais tratados com animais não tratados por meio de eletrocardiograma (ECG), testes bioquímicos, hematológicos e análises histológicas. O ácido ascórbico (AA), em concentrações de 2 - 14 ug/mL, teve sua propriedade antioxidante investigada através dos ensaios DPPH e ABTS, comparando=se ao Trolox nas mesmas concentrações. O efeito antioxidante em 50% dos radicais (CE50) por AA foi de 1.500 ug/mL e 53,19 ug/mL nos ensaios DPPH e ABTS, respectivamente. Enquanto a EC50 do Trolox foi de 14,88 ug/mL e 12.107 ug/mL nos ensaios DPPH e ABTS, respectivamente. A citotoxicidade do AA foi avaliada pelo ensaio MTT. As células de adenocarcinoma de mama foram expostas a AA (20-0,04 ug/mL) ou DOX (6 – 0,012 ug/mL) por 72h. A concentração de citotoxicidade de 50% (IC50) de AA em células 4T1 foi superior a 20 ug/mL. Nas mesmas células, a IC50 da DOX é 0,47 µg/mL. Os animais tratados com DOX apresentaram alterações no ECG em relação aos animais controle nos parâmetros: intervalo(s) R-R, frequência cardíaca (bpm), intervalo QT (ms), intervalo(s) QTc, intervalo(s) PR e intervalo QRS (ms), indicando o estabelecimento de dano cardíaco através da dose administrada e tratamento com AA. Além disso, os animais tratados com DOX em associação de AA, apresentaram melhoras em todos os índices citados anteriormente. Assim, conclui-se que o ácido ascórbico possui atividade antioxidante e menor citotoxicidade em células de carcinoma de mama, além de diminuição do dano cardíaco avaliado por ECG.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 3107513 - DALTON DITTZ JUNIOR
Interno - 2617696 - ALDEIDIA PEREIRA DE OLIVEIRA
Externo ao Programa - 1731057 - JOAO MARCELO DE CASTRO E SOUSA
Notícia cadastrada em: 03/09/2023 17:59
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 16/07/2024 13:38