Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ROSYANE MOURA DA ROCHA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ROSYANE MOURA DA ROCHA
DATA: 11/08/2021
HORA: 10:00
LOCAL: link
TÍTULO: Preditores de Resultados Maternos Adversos em Mulheres com Pré-eclâmpsia
PALAVRAS-CHAVES: Pré-Eclâmpsia. Fatores Preditores. Resultados Maternos Adversos
PÁGINAS: 71
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
SUBÁREA: Saúde Materno-Infantil
RESUMO:

Os distúrbios hipertensivos da gravidez, incluindo a pré-eclâmpsia, são uma das principais causas de morbimortalidade materna e perinatal em todo o mundo. O reconhecimento de mulheres com maior risco de resultados adversos, facilitará o manejo adequado e poderá diminuir esses índices. OBJETIVO: Avaliar os preditores de resultados maternos adversos em mulheres com pré-eclâmpsia. METODOLOGIA: Delineamento transversal controlado e analítico, realizado em um centro de referência em atendimento às gestantes de um Estado do Nordeste brasileiro, incluindo gestantes com diagnóstico de pré-eclâmpsia no período de julho a dezembro de 2019. A amostra ficou composta por 78 participantes, sendo 39 sem resultado materno adverso e 39 com resultado materno adverso. Foram coletados dados sociodemográficos, classificação da pré-eclâmpsia, parâmetros laboratoriais, dados obstétricos e métodos de prevenção e manejo. Os resultados maternos adversos incluídos neste estudo foram: HELLP síndrome, eclâmpsia, descolamento prematuro de placenta, near miss, admissão em unidade de terapia intensiva e morte materna. Foram calculadas estatísticas bivariadas e o modelo de regressão de Poisson foi utilizado para avaliação dos preditores. RESULTADOS: Os principais RMA foram admissão em unidade de terapia intensiva (51,0%), HELLP síndrome (23,0%), eclâmpsia (anteparto ou pós-parto) (12,0%) e descolamento prematuro de placenta (9,0%). Foram identificados 15preditores de resultados maternos adversos: trombocitopenia (RP=3,500; IC95%=1,780-6,883), elevação de enzimas hepáticas (RP=3,143; IC95%=1,705-5,794), níveis mais elevados no momento da internaçãode pressão arterial diastólica (RP=1,029; IC95%=1,004-1,055), aminotransferase de aspartate/transaminase oxalacética(RP=1,007; IC95%=1,003-1,011), aminotransferase de aspartate/transaminase glutâmico-pirúvica (RP=1,014; IC95%=1,006-1,023), desidrogenase lática (RP=1,003; IC95%=1,001-1,006), ureia (RP=1,037; IC95%=1,012-1,062), creatinina (RP=4,565; IC95%=2,137-9,548) e ácido úrico (RP=1,772; IC95%=1,290-2,435), além de níveis alterados ao longo da internação (piores resultados) de ureia (RP=1,030; IC95%=1,006-1,054), creatinina (RP=6,555; IC95%=2,421-13,220) e ácido úrico (RP=1,361; IC95%=1,114-1,662), idade gestacional na interrupção da gravidez (RP=0,829; IC95%=0,738-0,932), interrupção da gravidez por motivo materno (RP=2,875; IC95%=1,643-5,031) e uso de anti-hipertensivo parenteral (RP=1,750; IC95%=1,208-2,535). CONCLUSÃO: Parâmetros laboratoriais, características obstétricas e uso de medicação de manejo foram relacionados à ocorrência de resultados maternos adversos em mulheres com pré-eclâmpsia.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 423594 - JOAO DE DEUS VALADARES NETO
Externo à Instituição - JORGE FONTE DE REZENDE FILHO - UFRJ
Presidente - 4332146 - JOSE ARIMATEA DOS SANTOS JUNIOR
Notícia cadastrada em: 10/08/2021 09:18
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 04/12/2022 01:03