Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MORGANA BOAVENTURA CUNHA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MORGANA BOAVENTURA CUNHA
DATA: 07/03/2023
HORA: 15:00
LOCAL: SALA NUEPES
TÍTULO: Papel da hipertensão arterial sistêmica prévia e assistência pré-natal na pré-eclâmpsia
PALAVRAS-CHAVES: Pré-Eclâmpsia; Fator de risco; Gestantes; Hipertensão.
PÁGINAS: 68
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
SUBÁREA: Saúde Materno-Infantil
RESUMO:

Introdução: A síndrome hipertensiva na gravidez se tornou um grave problema de saúde

mundial, resultando em altas taxas de hospitalização. É a terceira causa de morte no mundo e a primeira

entre as causas obstétricas diretas. Objetivo: Analisar a associação entre os fatores sociodemográficos,

assistência pré-natal e hipertensão arterial sistêmica prévia com a pré-eclâmpsia. Metodologia: Estudo

transversal retrospectivo com gestantes em uma maternidade pública do estado do Piauí, durante os

meses de março de 2021 a julho de 2022. A população foi constituída pelos prontuários das gestantes

hospitalizadas nos últimos 5 anos (2017 a 2021) pesquisada com a CID-10 O14. A amostra foi de 185

prontuários. Foram usadas medidas de tendência central, separatrizes, frequências simples e relativas.

Foram associadas a dois desfechos: HAS prévia e intercorrência pós-parto. Teste qui-quadrado com

p<0,05. A medida de efeito das variáveis independentes nos desfechos foi a Razão de Prevalência (RP),

medida por meio de regressão de Poisson. IC de 95%. Analisado por software Stata 13. O projeto de

pesquisa foi apreciado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Piauí (UFPI).

Resultado: Mulheres que apresentavam esse desfecho tinham idade média maior que aquelas que não

apresentaram, associado com o aumento em 5% da HAS prévia (p=0,004). Quando comparadas às

analfabetas, identificou-se que mulheres com alguma escolaridade apresentavam menos chances de HAS

prévia óbito fetal (1,1%; n=2). Quanto à associação de características pré-natais e HAS prévia,

observou-se associação da realização da primeira consulta pré-natal com a HAS prévia, sendo que essa

elevava a prevalência do desfecho em 4,42 vezes (IC: 3,10 – 6,28). Já em relação às características

clínicas e às intercorrências pós-parto, observou-se que, em relação ao termo completo, nascimentos pré-

termo aumentam a prevalência do desfecho em 7,31 vezes (IC95%: 1,71 – 31,32). Conclusão: A

qualidade da assistência pré-natal impacta diretamente no desfecho da pré-eclâmpsia de gestantes com

HAS prévia, cujos impactos efeitos negativos podem ser minimizados. Recomenda-se o incentivo ao pré-natal e a conscientização da equipe de saúde na assistência prestada durante a gravidez para sensibilizar as pacientes, incentivando o empoderamento dessas mulheres, com estímulo ao autocuidado, tendo em vista que o adequado manejo da gestante pode estar relacionado à redução do número de novas complicações na sua gravidez.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2365867 - MAURICIO BATISTA PAES LANDIM
Interno - 226.905.653-15 - ZENIRA MARTINS SILVA - UESPI
Externo à Instituição - THIAGO NUNES PEREIRA LEITE - UNINOVAFAPI
Notícia cadastrada em: 02/03/2023 10:55
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 15/07/2024 21:49