News

Banca de QUALIFICAÇÃO: IVANAÍLA DE JESUS SOUSA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: IVANAÍLA DE JESUS SOUSA
DATA: 21/07/2017
HORA: 09:30
LOCAL: Sala 338
TÍTULO: As cidades divididas do século XXI e os espaços cemiteriais: uma reflexão sobre a geografia urbana contemporânea
PALAVRAS-CHAVES: Geografia Urbana. Espaços Cemiteriais. Teresina. Piau.
PÁGINAS: 108
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Geografia
SUBÁREA: Geografia Humana
ESPECIALIDADE: Geografia Urbana
RESUMO:

Compreendendo Teresina-PI no contexto do século XXI e como um recorte espacial de um país periférico observa-se, na sua configuração socioespacial, objetos urbanos, que apesar de desenvolverem funções iguais, expressam formas e características desiguais. Seria uma cidade una, segmentada de subsistemas. Um espaço dividido. Um dos objetos que faz parte dessa configuração espacial e que expressa contradições nas suas formas e relações socioespaciais e econômica diz respeito às necrópoles. Além disso, refletindo aspectos definidores da geografia urbana, (o que possibilita uma leitura peculiar da cidade por meio delas), as necrópoles são consideradas para a cultura ocidental, até o momento, um ambiente sagrado que abriga a memória de um povo. Um espaço dos vivos destinados aos mortos. A presente pesquisa tem como objetivo geral analisar o processo de urbanização na contemporaneidade sob o prisma das necrópoles em Teresina-PI, considerando, especialmente, a teoria dos “circuitos da economia urbana” de Santos (2008), e sem deixar de conceber as representações simbólicas, as relações sociais, bem como os fatores ambientais. Entretanto, entendendo que, atualmente, os fatores econômicos se sobressaem aos demais fatores de interferência espacial, é de fundamental importância, também, refletir acerca das relações que envolvem a morte e as atividades econômicas. Para isso busca-se caracterizar a produção do espaço urbano no século XXI; discutir a relação entre a sociedade e a morte, bem como suas manifestações culturais; elaborar uma linha do tempo do processo de espacialização das necrópoles em Teresina; e caracterizar a organização socioespacial da morte como espelho da configuração urbana do espaço dividido. Para a discussão desta problemática lançou-se mão de referências dos seguintes autores; Santos (2008), Lefevbre (2001), Diegues (2002), Gottdiener (1997), Foucault (2001) que tratam do espaço; Araújo (2015), Eliede (1992),  Morin (1997), Morais (1998), Eliede (1992), que  refletem acerca da morte e dos espaços sagrados, além de Thompson (2015), Zunkin (2000) e Silva (1998)  que abordam a temática dos cemitérios e das cidades no século XXI. Destacam-se, ainda, os documentos normativos como a resolução do CONAMA nº368 de 2006 e o Plano de Desenvolvimento Urbano Sustentável Teresina – Agenda 2030 que ainda estão em fase de análise. Também haverá a coleta de imagens de satélites pelo Google Earth no que se refere ao espaço pesquisado, bem como o levantamento e elaboração de mapas utilizando o programa ArcGis 10.1, além de coleta de material fotográfico, visitas individuais e compartilhadas nos objetos pesquisados. Embora, colocando-se a teoria dos circuitos da economia de Milton Santos como metodologia central nesta discussão, admitindo-se, portanto, o método dialético desta teoria, não será escopo deste trabalho amarrar-se a um só método, haja vista que o objeto de estudo escolhido remete a métodos ou metodologias bem mais abrangentes. Deste modo, esta pesquisa lançará mão do pluralismo metodológico proposto por Feyerabend (1989) que consiste no livre exercício das ideias e técnicas. Assim, a partir do que foi apresentado, no que diz respeito ao objeto de pesquisa, metodologias, técnicas e procedimentos busca-se uma análise mais abrangente, no que se refere ao processo de urbanização da cidade de Teresina no século XXI, juntamente com a tentativa de compreender e refletir acerca do fenômeno da morte a partir de várias dimensões, sejam elas, econômica, social, política, ambiental, espacial e cultural, considerando, desta forma, o contexto atual em que o espaço urbano se encontra; dotado de novos significados e dimensões.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1671765 - ANDREA LOURDES MONTEIRO SCABELLO
Interno - 1167728 - CARLOS SAIT PEREIRA DE ANDRADE
Externo à Instituição - THIAGO NICOLAU DE ARAÚJO - NENHUMA
Notícia cadastrada em: 15/07/2017 07:08
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 02/10/2022 23:58