News

Banca de DEFESA: FELIPE IBIAPINA DO MONTE RUBEN SIQUEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FELIPE IBIAPINA DO MONTE RUBEN SIQUEIRA
DATA: 20/02/2018
HORA: 09:00
LOCAL: Sala de Video II - CCHL
TÍTULO: TERRITORIALIDADES SAGRADAS: religiosidades católica e afro-brasileira na Zona Norte de Teresina (PI)
PALAVRAS-CHAVES: Territorialidades. Religião. Espaço-Sagrado. Teresina-PI.
PÁGINAS: 130
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Geografia
RESUMO:

As religiões assumem papel de destaque frente à formação cultural da sociedade, influenciando na forma do homem se relacionar com o espaço. Desse modo, estudar o espaço urbano considerando a perspectiva do Sagrado possibilita um entendimento particularizado da cidade. Teresina-PI, em especial, tem uma ligação próxima com a religiosidade desde a sua formação, destacando-se duas vertentes tradicionais, a religião católica e as religiões afro-brasileiras. Estas práticas do Sagrado – que atuam como marcadores identitários dos troncos culturais dos povos formadores de Teresina: o índio, o branco e o negro – compunham os costumes dos primeiros habitantes e se mantiveram ao longo do tempo, assumindo, hodiernamente, uma nova relação com a cidade, por meio de um arranjo territorial diferenciado. Assim, este trabalho de dissertação, desenvolvido no âmbito da Geografia Cultural, na temática da Geografia da Religião, se propõe a compreender qual o papel que as territorialidades sagradas – católicas e afro-brasileiras – desempenham, na configuração urbana teresinense, do ponto de vista da sociabilidade e espacialidade. Como recorte tem-se a Zona Norte de Teresina, no tempo presente, levando em conta o processo histórico. A escolha pelo recorte decorre do status diferenciado que o sagrado assume nessa região que atua como polo religioso, concentrando celebrações católicas de grande público e a maioria dos terreiros de umbanda e candomblé da cidade. O objetivo geral da pesquisa é analisar as formas de territorialização das religiosidades católica e afro-brasileira que se destacam na Zona Norte da cidade. Toma-se como objeto duas celebrações católicas – a Novena de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e a Missa da Misericórdia – e os cultos ordinários de duas comunidades de terreiro – Tenda Espírita de Umbanda Santa Bárbara, de umbanda, e Ilê Axé Opassoró Fadakar, de candomblé –. Adota-se uma metodologia de caráter qualitativo, aderindo, como norte teórico-filosófico o construcionismo crítico na perspectiva de Sousa Filho (2007). A coleta de dados empíricos assume como estratégia a observação participante, utilizando-se de entrevistas semiestruturadas realizadas com os sacerdotes. Foram empregadas como técnicas de coleta de dados: registro em diário de campo; criação de mapas temáticos; pesquisa bibliográfica. Para a interpretação dos dados recorre-se à análise de categorias, baseada na técnica de análise de conteúdo de Bardin (1977) que, por meio de categorias atreladas à teoria, torna possível correlacionar o corpus da pesquisa. Destaca-se como principais categorias teóricas: Sagrado; Profano; Territorialidade; Sistema simbólico religioso. Dentre os autores fundamentais para a construção das categorias arroladas citam-se: Durkheim (2008); Geertz (2015); Raffestin (1993); Bonnemaison (2002) Rosendahl (2005); Corrêa (2013). Busca-se, com o presente trabalho, colaborar com a produção do conhecimento acerca da Geografia da Religião em Teresina e, por meio da discussão, contribuir para a valorização da identidade cultural, despertando atenção para a importância do diálogo integrador entre as políticas de planejamento urbano com os territórios do sagrado, defendendo a necessidade de haver uma gestão urbana responsável atenta às dimensões sociais, em suas complexidades, promovendo meios de salvaguardar a cultura do lugar, através de um urbanismo voltado para as pessoas.

 

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1167728 - CARLOS SAIT PEREIRA DE ANDRADE
Interno - 1671765 - ANDREA LOURDES MONTEIRO SCABELLO
Externo ao Programa - 1520279 - FRANCISCA VERONICA CAVALCANTE
Notícia cadastrada em: 17/01/2018 09:44
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 25/09/2022 07:57