News

Banca de QUALIFICAÇÃO: AMANDA ALVES DIAS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: AMANDA ALVES DIAS
DATA: 25/05/2018
HORA: 09:00
LOCAL: CCHL - SALA 317
TÍTULO: FRAGILIDADE AMBIENTAL E ANALISE SÓCIOECONÔMICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAUEIRA, PIAUÍ
PALAVRAS-CHAVES: Abordagem sistêmica. Fragilidade Ambiental. Bacia Hidrográfica.
PÁGINAS: 108
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Geografia
SUBÁREA: Geografia Regional
ESPECIALIDADE: Análise Regional
RESUMO:

O crescimento econômico e social visto nas últimas décadas reflete-se diretamente em um aumento gradativo das transformações que ocorrem no espaço geográfico, que em grande parte, tem corroborado para a degradação dos recursos naturais. Dessa maneira é de suma importância o entendimento das inter-relações que compõem a paisagem, bem como do espaço geográfico, a fim de propor maneiras para diminuir os impactos negativos no meio ambiente. Baseando-se nisso, o presente estudo tem como objetivo realizar análise da Fragilidade Ambiental da Bacia Hidrográfica do Rio Itaueira, Piauí, subsidiando o planejamento ambiental e o ordenamento territorial tendo como base metodológica a proposta de análise empírica da Fragilidade Ambiental de Ross (1994), bem como adaptações de França et. al. (2017). A partir da caracterização geoambiental a área de estudo, constatou-se que, geologicamente, há o predomínio de depósito colúvio eluviais (69,8%), Formação Poti (17,5%) e Formação Corda (5,8%). Geomorfológicamente, há ocorrência de Planaltos (47,7%), Baixos Platôs (31,3%) e Superfícies Aplainadas Degradadas (19,9%). Com relação aos aspectos climáticos, está inserida em uma área de clima árido a subúmido, megatérmico, com duas estações, uma seca outra chuvosa, com pequeno excesso d’água. Sua rede de drenagem é composta por 14 canais fluviais, apresentando formato alongado, com baixa densidade hidrográfica e densidade de drenagem e de acordo com a classificação de Horton se caracteriza como de terceira ordem. Com relação aos solos, há a predominância de solos de baixa fertilidade natural como o Latossolo Amarelo (73,6%) e o Neossolo Litólico (12,9%). Com relação a dinâmica populacional e os índices sociais, constatou-se que ocorreu um aumento populacional na e melhorias no IDHM na última década. Os indicadores econômicos analisados relacionados principalmente a produção agrícola, mostram um significativo crescimento econômico no Estado do Piauí e nos municípios inseridos na área de estudo, que interferem diretamente no uso e cobertura do solo. Deste modo, pautado inicialmente no levantamento geoambiental da área, já realizado, juntamente como a Declividade Média (DM), a Erodibilidade dos Solos (K), a Erosividade das Chuvas (R) e o Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI) numa perspectiva dinâmica, que irão proporcionar a elaboração do mapa de Fragilidade Potencial e Emergente para a BHI,  será realizado a análise e o diagnóstico da fragilidade, das potencialidades e limitações da bacia visando elaborar as diretrizes para um ordenamento territorial na área, a partir de técnicas de geoprocessamento e sensoriamento remoto, afim orientar o desenvolvimento de práticas conservacionistas e de preservação dos recursos hídricos e do território que norteie as políticas de planejamento ambiental do Estado na área da bacia hidrográfica do Rio Itaueira – PI, conduzindo a expansão urbana por vias que respeitem as potencialidades e fragilidade do ambiente ocupado.

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1461646 - CLAUDIA MARIA SABOIA DE AQUINO
Interno - 1300002 - GUSTAVO SOUZA VALLADARES
Externo à Instituição - CELIA ALVES DE SOUZA - UNEMAT
Externo à Instituição - GLAIRTON CARDOSO ROCHA - IFPI
Notícia cadastrada em: 06/05/2018 22:04
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 03/10/2022 21:27