News

Banca de DEFESA: LUCAS ALMEIDA MONTE

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LUCAS ALMEIDA MONTE
DATA: 03/04/2020
HORA: 09:00
LOCAL: Sala de Vídeo II
TÍTULO: MAPEAMENTO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE PAULISTANA, ESTADO DO PIAUÍ
PALAVRAS-CHAVES: Fragilidade ambiental. Semiárido. Geotecnologias.
PÁGINAS: 115
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Geografia
SUBÁREA: Geografia Regional
ESPECIALIDADE: Análise Regional
RESUMO:

As relações existentes entre sociedade e natureza constitui elemento fundamental no conhecimento científico, merecendo destaque, neste contexto, a ciência geográfica. A Região Nordeste do Brasil possui, especificamente na região semiárida, clima caraterizado por atributos típicos, como baixa umidade relativa do ar, baixos índices pluviométricos e elevadas temperaturas, solos rasos e pouco férteis com atuação de processos erosivos, relevo bastante dissecado e intensa atuação antrópica. Ao considerar a região semiárida como ambiente instável, conforme a classificação de Tricart (1977), através dos atributos físico-naturais, tornam-se propícios quadros de fragilidade ambiental (ROSS 1994). Destaca-se nessa pesquisa a utilização do geoprocessamento como ferramenta essencial para contribuir com informações sobre o ambiente e possíveis tomadas de decisões. Através dessa ferramenta, pesquisas voltadas à análise do ambiente têm apresentado resultados aprimorados, verificando assim a atual condição dos atributos ambientais, que consequentemente venham a sofrer com as ações humanas em determinadas áreas. Para a pesquisa em epígrafe, considera-se a realidade físico-natural que permeia o município de Paulistana, situado na região sudeste do estado do Piauí, há aproximadamente 456 km de distância da capital Teresina. Com base nas informações apresentadas, a pesquisa tem como objetivo geral analisar a fragilidade ambiental para o município de Paulistana/PI. Ao considerar o objetivo exposto, a pesquisa possui os seguintes objetivos específicos: Identificar os indicadores físico-naturais (geologia, geomorfologia, hidroclimatologia, pedologia e fitogeografia) presente no município em estudo; Definir os indicadores físico-naturais da área pesquisada; Realizar o levantamento das fragilidades potencial e emergente para o município de Paulistana/PI; Elaborar o mapeamento da fragilidade ambiental da área em questão. Para efetivação dos objetivos, seguiram-se as seguintes etapas: pesquisa documental para realização de levantamento bibliográfico e posterior revisão conceitual, bem como caracterização da área de estudo; realização de Trabalho de Campo para reconhecimento da área, bem como para realizar coleta de dados referentes ao objeto em análise; levantamento e análise sobre a fragilidade ambiental do município de Paulistana/PI; utilização de materiais como imagens de satélite para análise e validação das informações colhidas in loco; coleta e elaboração da base cartográfica utilizada na pesquisa; confecção dos mapas utilizados na pesquisa. Através das incursões em campo, atrelado à literatura, foi possível perceber que as características físico-naturais de Paulistana/PI contribuem para o quadro de elevados níveis de fragilidade potencial. Ao levar em consideração a questão antrópica associada à fragilidade potencial, foi possível obter dados relacionados com a fragilidade emergente, apresentando níveis que oscilaram entre alta e muito alta. Dessa forma, constata-se que o mapeamento da fragilidade ambiental representa um importante instrumento de planejamento ambiental, tendo em vista que o município em análise possui forte tendência de aumento nos níveis de fragilidade ambiental, o que pode ocasionar danos severos ao ambiente, que a reboque atinge diretamente a população.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2231533 - EMANUEL LINDEMBERG SILVA ALBUQUERQUE
Interno - 1167728 - CARLOS SAIT PEREIRA DE ANDRADE
Externo à Instituição - MARIA LÚCIA BRITO DA CRUZ - UECE
Notícia cadastrada em: 09/03/2020 10:48
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 04/10/2022 03:50